0
Shares
Pinterest Google+

Cerca de 90% dos animais silvestres morrem logo depois de retirados de seu habitat, conforme dados do . O órgão faz campanha nas rodovias que ligam Brasília à Região Nordeste para orientar a população sobre a importância de se manter o animal na natureza e coibir o tráfico e comércio ilegal no país.

‘Estamos fazendo a campanha para mostrar que não é interessante comprar animal em viagens e mantê-lo em casa sem autorização. Isso é ambiental’, diz o chefe de fiscalização do Ibama do Distrito Federal, Hugo Brito.

Segundo o técnico, os animais que aparentam comportamento amigável são os preferidos no momento da compra. Micos, papagaios, araras, peixes ornamentais estão entre as principais espécies vendidas ilegalmente.

Entretanto, ele explicou que o animal é embriagado para parecer manso. ‘A pessoa que está comprando é praticamente cúmplice de um crime ambiental. Os danos que isso traz ao ambiente são muito grandes’, afirmou.

Quem for pego com animais silvestres pode receber no valor de R$ 500 por item apreendido. No caso de animais silvestres que constam na lista de , a sobe para R$ 5 mil.

Brito informou que não é apenas a compra do animal que configura crime ambiental. Adquirir parte dele, como de caça ou simplesmente uma pena que enfeita um brinco, também são exemplo do delito. ‘As penas que o pássaro soltam não são viçosas e bonitas para o artesanato. Essa pena ou foi arrancada de um exemplar vivo ou esse animal foi abatido para que essas penas fossem retiradas.’

Brito apontou outra preocupação conseqüente do comércio e tráfico ilegal de animais silvestres: as doenças que podem surgir a partir de microorganismos presentes no animal, sendo que muitas delas ainda não foram catalogadas. Como exemplo, citou o vírus da , que há seis ainda não havia sido diagnosticado em áreas urbanas.

Durante os dias de divulgação da campanha ‘Viagem é o Bicho. Mas sem Bicho’, o agente do Ibama informou que o trabalho será apenas de educação, mas que, passado esse período, serão feitos monitoramentos com aplicação de multas. ‘Depois de passarmos o conhecimento para o pessoal, a gente tem a obrigação de fazer a autuação daqueles que insistem em comprar e manter o animal em casa.’

Com informações da Agência Brasil
Previous post

Aniversário de gato famoso

Next post

Tráfico de gatos alimenta restaurantes na China

No Comment

  1. suely bischoff machado de oliveira
    18/12/2008 at 10:03 —

    Olá
    Mas que absurdo é este, a venda destes pobrezinhos seres.E pior ainda é que morrem em sua grande maioria.Eu realmente tenho menosprezo por estes contrabandistas, pois creio que cedo ou tarde ,eles irão ter que acertar as suas contas, e o final desta história não será um final feliz para estes infratores da lei de DEUS! Vou lhes contar um episódio verídico:-
    Certo dia um paciente acometido por um glioma de alto grau ( um câncer de cabeça), disse à dra. :- Ah! estou pagando pelo que fiz no passado. Esta lhe indagou sobre o que ele estava falando. Ele lhe respondeu:-“Ah!como eu me arrependo, mas agora é tarde demais. Eu fui muito cruel para com os animais , estrangulei gatinhos,queimei pombas,dei pontapés em cachorrinhos que choravam, torcí o pescoço de muitos gansos, matei outros tantos pintinhos , usei e abusei de equinos para trabalhos pesados,embriaguei algumas vacas e muito me divertí. E ainda trabalhei num matadouro e fui muito sádico e cruel.
    Hoje percebo e sei perfeitamente o que eu fiz, mas já não dá tempo para reparações, estou no fim!
    Moral desta história: “Quem faz mal a um outro ser vivo, faz mais mal a sí mesmo!”
    suely bischoff
    psicóloga