0
Shares
Pinterest Google+

Uma que atinge em grande escala a população humana é o ocasionada pelo aumento da taxa de () no . Por mais estranho que pareça, os cães e gatos também podem sofrer com a doença e quanto mais cedo for descoberta, maiores as chances de sucesso no tratamento. Em cães é mais comum o aparecimento do diabetes entre os 4 e 14 anos de idade, com maior ocorrência entre os 7 e 9 anos, sendo as fêmeas afetadas cerca de duas vezes mais do que os machos. Algumas raças de cães como Poodle miniatura, Samoieda, Pug, Poodle Toy e Schnauzer Miniatura têm maior predisposição à doença.

Os principais do Diabetes são: a polidipsia (aumento da quantidade de água ingerida) ; poliúria (o volume da urina se torna maior) e o emagrecimento(mesmo com o aumento do apetite e consequente aumento da ingestão alimentar). O Diabetes em estado avançado nos cães tem como sinal o aparecimento da catarata (é uma opacidade do cristalino – que é a lente que temos dentro do olho – causa diminuição da visão). Já nos gatos a neuropatia diabética (lesão dos nervos em virtude da glicemia elevada) pode ocasionar dificuldade e dor no andar do animal. Ficar atento aos primeiros sinais e procurar ajuda médica veterinária o quanto antes podem ajudar no tratamento.

O diabetes tipo 1 é o mais comum em cães e se caracteriza pela perda das células que produzem o hormônio insulina, responsável pela captação da glicose sanguínea. Dessa forma, a maior parte dos cães precisa de insulina como parte do tratamento. A aplicação deve ser realizada sempre nos mesmos horários e na dose correta prescrita pelo médico veterinário. Já em gatos o diabetes tipo 2 é o mais frequente e está fortemente associado ao aumento de peso que promove alterações no controle da glicose sanguínea e o aparecimento da doença. Vale ressaltar que em alguns casos os gatos não têm necessidade de insulina.

O tratamento do diabetes tanto em cães como em gatos necessita ser feito sob supervisão do médico veterinário e deve levar em conta o manejo nutricional do animal. Deve ser oferecido um alimento específico que considere as necessidades nutricionais e metabólicas peculiares dessa doença. Avaliações periódicas são importantes para monitorar o controle do açúcar no sangue, ajustar as doses de insulina, quantidade e tipo de alimento, e a saúde geral do animal.

A melhor forma de prevenção tanto para o Diabetes tipo 1 ou 2 é manter o animal com uma dieta equilibrada, já que muitos animais recebem alimentação de forma errada através de guloseimas (biscoitos, petiscos, restos de comida), o que contribui para o aumento de peso e consequentemente o Diabetes. Uma forma de avaliar se o cão está acima do peso é verificar o acumulo de gordura na região da base da cauda e do abdômen e nos gatos na região inguinal (parte da frente das patas traseiras). O ideal é sempre estar atento a condição corporal do animal, ou seja, ele não deve estar nem muito magro e nem acima do peso. Além disso, dedicar parte do dia para passear ou brincar com o animal, para que o mesmo possa praticar exercícios físicos regulares é uma boa forma de prevenir a doença.

Fonte: Karina N. Venturelli Gonçalves – Médica Veterinária e Gerente de Desenvolvimento Técnico Pet do Grupo Guabi.

Comentários

Previous post

Saiba como transportar seu pet com segurança no avião

Next post

Estudo sugere que gatos do Egito antigo deixaram descendentes