0
Shares
Pinterest Google+

As de estão chegando e, para comemorar, as pessoas recorrem a e . Pets não ficam de fora das festas e não estão imunes ao causado por esses artefatos.

Os cães possuem a sensibilidade auditiva maior que dos humanos. Por isso, a atenção dos donos deve ser redobrada nos períodos de festas, quando os rojões e fogos de artifício são comuns. Os animais podem se assustar e o pode lhes acarretar uma série de psicológicos e físicos.

cachorro-escondido-medo-fogos-petrede

Segundo a médica veterinária Luciane Martins, durante o Réveillon a melhor solução é fazer o animal participar da festa dentro de casa e tomar todos os cuidados possíveis para que o pet não sofra nenhuma queda nem se agite demais com o barulho dos fogos.

“O ideal é deixar o animal em um local com várias pessoas. A casa deve ser um local não silencioso, para que o contraste com os sons externos seja minimizado”, indica.

Para os donos que não passarão a virada de ano em casa, a veterinária aconselha que sejam tomadas providências parecidas com aquelas exigidas quando o proprietário vai viajar, como contratar uma babá ou deixar o animal em casas de amigos e parentes.

“É importante não deixar o animal sozinho, os donos devem se programar antes do início das festas para que o animal esteja em companhia de alguém”, aconselha.

O medo causado pelos fogos pode acarretar alguns tipos de transtornos à saúde do pet, desde traumatismos físicos até convulsões e complicações cardiorrespiratórias.

“Se aparecerem sinais de consequências causadas pelo pânico, é indicado que os donos procurem assistência médica veterinária. Mas se for apenas susto, basta dar bastante carinho e manter o animal sob observação em um local calmo”, completa.

No caso de bichinhos com histórico de problemas cardíacos, ou outras doenças em que o possa afetar a saúde, Luciane aconselha uma avaliação médica nos dias que antecedem as festas para orientações e providências antecipadas.

“Em alguns casos são indicados medicamentos, mas é preciso que os donos procurem sempre orientação médica veterinária. A melhor solução para evitar maiores problemas é a companhia de alguma pessoa ou do próprio dono”, finaliza a veterinária.

Comentários

Anterior

10 dicas incríveis para seu pet não sofrer acidentes por conta dos fogos de artifício

Próxima

Programando férias de fim de ano com os pets? Confira dicas do especialista!