Quase 50% dos lares brasileiros têm cães ou gatos, diz levantamento

Os animais de conquistaram espaço na vida do ser humano e entre os deste estão os impactos positivos no bem-estar e na física e mental do dono e daqueles que próximos aos pets.

Segundo dados do , iniciativa da Comissão de Animais de Companhia (), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (), 44% dos lares brasileiro possuem animais de estimação e reconhecem o papel positivo dos pets no seu .

De acordo com o e presidente da Comac, Luiz Luccas, a pesquisa mostra que 40% dos lares com crianças, jovens e adolescentes têm animais de estimação.

— Neste cenário, além do estímulo da pelo trato diário, os menores desenvolvem maior habilidade social, além de aumento na auto-estima, principalmente na cooperação em atividades, demonstrando ser mais compreensivos em relação aos colegas — avalia Luccas.

Os cães e gatos estão presentes em 17% dos lares com casais jovens e sem filhos, levando-se a crer que os cuidados exigidos por eles estão relacionados à capacidade de preparação para a chegada dos filhos.

— Outros detalhe é o para saúde que o animal proporciona, pois os cães fazem seus donos passarem tempo significativamente maior caminhando, mesmo sendo esse hábito produto de uma obrigação que os cães impõem. Sugere-se então que ter um cão é uma forma de promover mais atividades físicas e, consequentemente, mais saúde, já que a falta de físicos está ligada a muitos problemas de saúde — ressalta André Prazeres, vice-presidente da Comac.

Terceira idade
Embora os benefícios de ter um animal em casa sejam evidentes na terceira idade apenas 30% possuem a companhia de um animal de estimação. A aumenta as interações sociais dos , que ficam menos agitados e irritáveis, e a pressão arterial melhora. Este fato deve-se à conjugação de diversos fatores, entre eles a distração, a sensação de que há alguém que depende de si e a companhia amigável que faz esquecer os problemas.

Segundo César Ades, professor do Departamento de Psicologia Experimental da Universidade de São Paulo (), a companhia de um animal de estimação pode fazer diferença para os idosos em relação à qualidade de vida e aos estímulos para exercícios, que ajudam a melhorar a saúde física.

— Idosos que possuem cães e gatos sofrem menos de depressão, problemas relacionados à pressão sanguínea, frequência cardíaca e capacidade motora, sendo estas questões reflexos das atividades físicas realizadas ao passear ou brincar com seu animal de estimação — explica o especialista.

O aumento do número de animais de estimação entre os idosos promoveria maior qualidade de vida para e poderia até minimizar os impactos de saúde pública, com a redução dos índices de abandono de animais.

— Um cão e um gato adulto, geralmente os tipos de animais encontrados em casas de abrigo, se adequam melhor ao perfil dos idosos — informa o presidente da Comac.

Além disso, eles também se adaptam melhor ao novo lar e não têm os mesmos hábitos que os filhotes, sendo mais disciplinados nas brincadeiras e nos comportamentos.

Imagens: Ilustração/Divulgação/Reprodução/Internet

Comentários