0
Shares
Pinterest Google+

puppy-3Medida é condenada pelas autoridades sanitárias por não ter comprovação e não evitar risco de para humanos. Órgãos recomendam a eliminação dos animais, mas apego emocional aos cachorros faz com que proprietários resistam à orientação.

O aumento de casos de com leishmaniose em centros urbanos veio acompanhado de um movimento silencioso, consistente e ilegal: a busca por tratamentos ensinados clandestinamente por e proibidos pelo . Donos que resistem a entregar seus cães para encomendam medicamentos do exterior, internam os animais e até contratam advogados para defendê-los.

“Ingressamos na clandestinidade, fazemos contrabando. É fora da lei, mas nunca me perdoaria de entregar meus animais antes mesmo de fazer uma tentativa de tratamento”, afirma um publicitário de .

A medida é condenada por autoridades sanitárias. “Não há nada que comprove que o tratado reduza o risco de contaminação. É um risco para pessoas que têm contato com o animal, principalmente as com sistema imunológico debilitado”, diz o veterinário da Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Péricles Massunaga.

O advogado Sérgio Cruz especializou-se no assunto. Hoje defende proprietários e presta assessoria à Nacional dos Clínicos Veterinários. “Não nego que ganhei um bom dinheiro nesses anos. Mas argumentos não faltam. Não há nada na literatura que impeça tratamento e, além disso, as regras criadas pelo governo são frágeis”, diz.

No início considerada uma doença rural, a leishmaniose vem se expandindo para centros urbanos e hoje atinge 20 Estados. Até 2008, o mais comum era usar remédios indicados para humanos. Uma portaria assinada pelos ministérios da Saúde e da Agricultura, porém, proibiu essa prática, em razão do risco de o parasita desenvolver aos medicamentos.

Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, testes em laboratório mostram que o parasita facilmente dribla a ação dos remédios. Há um número limitado de drogas e não há perspectivas de que novos medicamentos estejam disponíveis a curto prazo. Como o cão é o principal reservatório da doença, argumenta a secretaria, não sacrificar os animais infectados pode trazer consequências graves para a saúde pública, com a disseminação de parasitas mais resistentes.

“Isso é só teoria. Os remédios são usados em outros países sem problemas. Os únicos casos de resistência estão na Índia e a origem não é de tratamento em animais”, assegura o veterinário Vitor Mário Ribeiro, professor da da Pontifícia Católica de Minas.

“Com o controle da doença, o nível de protozoários na pele do animal sofre tamanha redução que impede a transmissão para o mosquito”, afirma Norma Labarthe, professora da Universidade Federal Fluminense.

Distrito Federal. Em Brasília, a leishmaniose em cães começou a aumentar a partir de 2008. Um inquérito feito no Lago Norte, área nobre da capital, mostrou que 18% dos 5 mil cães analisados estavam contaminados.

Na época, moradores que não queriam entregar seus animais para a Vigilância procuraram advogados, levaram animais para outros lugares ou mentiram, dizendo que o animal já havia morrido. “O maior risco é a transferência do animal. É assim que a doença se alastra. Não seria melhor permitir que o fosse tratado?”, questiona Norma.

Massunaga, da Vigilância Ambiental do DF, diz que não há para realização de novos inquéritos. Ele lembra que parte dos proprietários entregou seus animais voluntariamente. Outros, quando procurados, disseram que o animal havia morrido.

Para Ribeiro, sacrificar os animais não resolve o . “O mosquito-palha continua lá. Passado um período, a compra outro cachorro, que novamente vai se contaminar.” Ele lembra que, desde a década de 50, a do problema no País é feita por meio do sacrifício de cães, e nada adiantou.

“Claro que só a eutanásia não funciona. É preciso adotar medidas ambientais, combater o mosquito, mudar hábitos. Essa informação sempre tem de ser transmitida”, afirma Massunaga.

Não há consenso nem entre veterinários. “Muitos são contra tratamento”, diz Ribeiro. E também é discutido na .

A portaria interministerial proibindo o tratamento com medicamentos humanos é questionada em uma ação civil pública. “Um termo de ajuste de conduta está sendo discutido, para tentar ofertar pelo menos um tipo de tratamento para esses cães”, diz o advogado Cruz.

Para entender
1 – O que é a leishmaniose?Transmitida pelo mosquito-palha, a doença causa complicações cardíacas e circulatórias, apatia e palidez. O cão é reservatório do parasita que causa a doença. Quando está infectado e é picado, pode contaminar o mosquito, que transmite a leishmaniose para seres humanos.

2 – Como fazer a prevenção?
Colocar nos cães coleiras repelentes, deixar o animal em local com tela ao entardecer e à noite, quando o mosquito-palha está ativo.

Fonte: Estadão

Comentários

Previous post

Como identificar se seu mascote é bravo ou só está com medo

Next post

O pug mais ecológico do mundo

No Comment

Leave a reply