2
Shares
Pinterest Google+

Essa pergunta não é muito fácil de responder uma vez que as para lambedura excessiva são inúmeras. Lembre-se que problemas de pele podem ser simples ou bastante complexos de resolver dependendo da causa, por isso sempre procure orientação do médico veterinário. A PetRede descreveu abaixo algumas mais frequentes:

Lambedura das patas por

Alguns cães tem um temperamento bastante ativo e precisam de atenção e de qualidade com os tutores além da prática regular de atividades físicas. A ociosidade, o tédio e a ansiedade podem ocasionar a chamada dermatite acral por lambedura (acral é relativo às extremidades). Nesse tipo de dermatite o cão lambe e mordisca constantemente as patas resultando em lesão alopécica (ausência de pelos) e ulcerada (ferida). No início do processo, a ferida é pequena em uma área específica do membro, depois vai aumentando devido à lambedura persistente.

Uma vez diagnosticada a dermatite acral por lambedura, o veterinário irá prescrever medicações específicas para a da lesão. Podem ser usadas pomadas, sprays e até shampoos. Talvez seja necessário o uso do colar elizabetano para impedir que o animal volte a o local durante o processo cicatricial. O uso do colar pode ser muito estressante para alguns animais, mas na fase inicial do tratamento ajuda bastante. O veterinário também poderá lançar mão de antidepressivos, mas um dos aspectos mais importantes no tratamento são as mudanças no manejo do animal. É fundamental que o cão faça regulares, tenha tempo de qualidade com os tutores e não fique sozinho por muito tempo. Brincadeiras e exercícios são muito bem vindos! Uma boa opção é deixar o cãozinho em uma creche, assim ele poderá interagir com outros animais e receber estímulos diferentes. Essas alterações no manejo serão determinantes para o sucesso do tratamento, caso elas não sejam permanentes o animal pode voltar a apresentar .

Lambedura das patas em ANIMAIS ATÓPICOS

A atopia é uma doença de pele complexa e bastante frequente em cães. Por ser de caráter genético não há cura, mas há tratamento de . Os cães atópicos apresentam uma hipersensibilidade que promove uma resposta inflamatória exacerbada quando entram em contato com determinados alérgenos presentes no . O contato com os alérgenos ocorre de diversas formas, uma delas é através da pele. Essa resposta imunológica “exagerada” na pele gera muita coceira e irritação, o que faz com que o animal comece a se podendo ocasionar feridas e infecções cutâneas secundárias. Lesões de pele e prurido (coceira) são muito frequentes em cães atópicos. Esses animais também podem apresentar dermatite acral por lambedura devido à maior sensibilidade. O diagnóstico de atopia deve ser feito de forma bastante cuidadosa e o tratamento de é essencial. Não deixe de consultar o médico veterinário.

Lambedura das patas por DISTÚRBIOS HORMONAIS

Os distúrbios hormonais provocam inúmeras alterações fisiológicas, que geram mudanças na pele tornando-a mais suscetível a infecções secundárias provocando coceira e lambedura excessivas. Em cães com problemas hormonais a pele pode se tornar mais fina ou mais espessa dependendo do quadro de cada animal, também são notadas alterações como: hiperpigmentação (escurecimento) da pele e queda de pelo. Exemplos comuns de doenças hormonais são: o hipotireoidismo (frequente em cães das raças e ) e o (frequente em cães das raças Schnauzer e Poodle).

Lambedura das patas por DOR

Nesse caso, o cão passa a lamber a pata porque ocorreu algum trauma. Um bom exemplo é a lambedura dos coxins (“almofadinhas das patas”). Algumas vezes, o animal começa a lamber essa devido à presença de cortes, espinhos ou bolhas. Se o tutor fizer corridas de bicicleta muito longas com o animal ou andar em pisos muito quentes poderão ocorrer lesões nos coxins e o animal provavelmente começará a se lamber. Por isso sempre faça passeios moderados com seu pet respeitando os limites dele. Se o seu animal está lambendo os coxins, mas não houve nenhum tipo de trauma, provavelmente o motivo da lambedura não é dor.

Irritação e lambedura após a

É muito comum alguns animais apresentarem irritação, coceira e vermelhidão na pele após a tosa. A pele pode ficar bastante irritada devido ao contato com a lâmina quente ou se os pelos estiverem muito embolados. Quando os pelos estão embaraçados, a máquina acaba puxando os nós que se formam e agredindo a pele. Se o seu cão precisa tosar regularmente nunca deixe o pelo embaraçar muito ou criar nós. Mantenha os pelos sempre escovados e saudáveis para que seu pet não sofra no momento da tosa. A irritação causada pela tosa, é normalmente notada nos coxins, abdômen, vulva e que são os locais que a máquina passa mais perto da pele, ou seja, não está restrita somente às patas. Esse tipo de coceira e vermelhidão aparece logo após a tosa e, em geral, dura poucos dias com melhora significativa sem maiores intervenções. Se o animal estiver com muito desconforto e prurido (coceira) intenso, o ideal é consultar o médico veterinário para evitar que o quadro de irritação evolua causando feridas. Talvez seja necessário o uso de algum somente para controlar a coceira nos dias após a tosa.

Irritação cutânea por ectoparasitas

PULGAS E CARRAPATOS são grandes vilões quando se trata da saúde da pele dos cães. Nesse caso, o tutor irá perceber que o incômodo do animal é generalizado. O animal pode até mordiscar as patas na tentativa de eliminar alguma pulga ou carrapato que esteja por ali, mas a coceira não estará localizada somente nas patas. Alguns animais podem apresentar dermatite alérgica à picada da pulga e apresentar lesões cutâneas mais expressivas.

Muitos fatores podem desencadear coceira, lambedura e provocar feridas na pele do seu animal. Se você percebeu alguma alteração na pele, pelo ou no comportamento do seu pet leve ao veterinário. Ele será capaz de realizar uma triagem para definir a real causa do problema e estabelecer o tratamento mais indicado!

Anterior

Você já escovou os dentinhos do seu pet hoje?

Próxima

É Pet Friendly! Onde e como se hospedar com o seu pet durante as férias!