0
Shares
Pinterest Google+

O de cães de tem sido um dos mais novos que os de precisam enfrentar em à .

Em um , no bairro Portão, um adolescente foi com um revólver para que entregasse um cão da raça , na segunda-feira (14). Até esta sexta-feira (18), o animal ainda não havia sido encontrado.

“Meu filho mais velho disse [para o ] ‘Eu te dou meu celular, te dou minha mochila, te dou meu tênis, mas o cachorro deixa’. Aí o cara tomou o cachorro da mão dele e tirou o revólver e apontou para ele”, conta a comerciante Terezinha Zago.

Depois do assalto, as vizinhas do condomínio que possuem cachorros da mesma raça começaram a evitar passeios com os animais. “Se a gente tinha de sair com o celular, roupa de marca, tênis, que chamasse a atenção por causa desses objetos, hoje a gente tem de sair com o cachorro”, diz a vizinha de Terezinha, Thamyres Harder.

A pedagoga Angela Carolina Kemer passou por uma ainda mais . Em fevereiro deste ano, três homens a assaltaram. Ela foi e, além de levarem três cães, eles também roubaram o carro dela.

A Polícia Civil diz que o roubo de cães é um novo. Por isso, não há um de quantos casos ocorrem na cidade. A suspeita da polícia é que os cães preferidos pelos ladrões sejam os de pequeno porte, por serem mais fáceis de levar e mais valiosos. “Eles [donos] devem buscar a para registrar a ocorrência, para que nós, da polícia, saibamos o que está ocorrendo e possamos , para evitar novos dessa natureza”, explica o Marcelo Magalhães.

Anterior

Agnelo anuncia veto a lei que limita acesso de cães a parques do DF

Próxima

Homens preferem ter gatos a cachorros, segundo pesquisa