0
Shares
Pinterest Google+

Animais espirrando no não são nenhuma novidade, mas, quando o assunto é um felino, os tutores devem permanecer com as orelhas em pé. Espirros podem ser um sinal de caso o seu bichano seja daqueles que “faz turismo” pelos telhados das casas dos vizinhos, ou se é um animal cuidado sem grandes compromissos por um grupo de pessoas. Fique ligada também se o gatinho foi adotado de um há pouco tempo.

Os gatos espirram por diversas razões – e pode ser até uma defesa natural contra alguma substância irritante à nasal. Mas, se acompanhado de outros sinais, seu pode precisar de uma visita ao médico veterinário.

Veja as explicações mais comuns ao espirro insistente do gato:

Padrão e freqüência

Se o seu gato espirra depois do uso de um desinfetante no , da troca de areia da sua caixa ou após o borrifo de essências aromáticas pela casa (e isso vale para incenso), é porque esses produtos sensibilizam a mucosa do bichinho e, na presença dele, devem ser evitados.

nasal e/ou ocular

Espirros que levam à descarga de nasais, sejam elas verdes, amarelas ou incolores, merecem nossa atenção. As duas primeiras podem estar associadas, muitas vezes, a que têm chance de evoluir se não combatidas com o auxílio de .

Outros sinais de

Tosse, prostração, febre e inapetência são fortes indicadores de . Verifique se a de seu gato está em dia. Calicivirose e rinotraqueíte são comuns no mundo dos gatos, mas a vacinação não significa garantida. Por isso, eles devem receber cuidados extras no inverno. Esses sinais são mais comuns em gatos que vivem em comunidade, pois basta um estar sofrendo de rinite para contaminar os demais “colegas”, em especial filhotes.

bucal

Não é tão raro assim, ainda mais em felinos idosos. Tumores de gengiva, de palato e até pedaços de ossos trancados entre os dentes podem comprometer a saúde oro-nasal de seu felino. Se for o caso, ele pode até mesmo apresentar também dificuldade em comer e cheiro ruim na boca. Quando tumores estão envolvidos, fique de olho em outras duas doenças do mundo dos felinos: a FIV e a FELV. Essas duas são difíceis de combater, porque exigem tratamento para toda a vida – vale dizer que é fundamental para cada caso.

Cuidado com aglomeração: assim como os seres humanos, os bichanos precisam viver em locais bem ventilados e que sejam protegido do frio. Prestar atenção ao calendário de vacinas é outra forma de manter o bem-estar de seu bichano. Não custa lembrar: é bem melhor do que correr atrás do prejuízo, uma vez que letargia e inapetência que acometem gatos “gripados” exigem cuidados especiais por um nunca inferior a sete dias.

Comentários

Previous post

Conheça as regras para levar pet em ônibus intermunicipais no Estado de SP

Next post

Como criar um pet no apartamento?