Tráfico de animais reduz expectativa de vida de papagaios em até dez vezes

O tráfico de animais é o responsável pela redução drástica na expectativa de vida dos papagaios trazidos a um zoológico no interior de São Paulo. De cada dez animais, nove morrem até cinco anos depois de terem chegado ao local. A conclusão é do veterinário brasileiro Ralph Vanstreels, que publicou um artigo no periódico britânico Zoo Biology. De acordo com o pesquisador, os animais trazidos pela polícia ambiental ao Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, em Sorocaba, interior de São Paulo, morrem por doenças e maus tratos do tráfico. A mesma queda na expectativa de vida deve se repetir em outros zoológicos e com outros animais vítimas do tráfico. “Isto provavelmente se estende para outras espécies de aves e mesmo para outros animais que são resgatados, como os mico-leões dourados”, diz.

Vanstreels analisou os dados do zoológico de Sorocaba entre 1986 e 2007. No total, 374 papagaios foram recebidos nesse período, a maioria da espécie conhecida como papagaio-verdadeiro, proveniente das regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste do Brasil. É preciso permissão do Ibama para cuidar do animal. De acordo com a pesquisa, 91,7% dessas aves vieram do comércio ilegal. Infratores capturam os bichos ainda no ninho para depois vendê-los em feiras ilegais. Resgatados pela polícia, esses animais chegam em condições graves ao zoológico e a expectativa de vida, que no habitat natural é de 20 a 25 anos, cai para não mais que cinco anos. Em ambiente doméstico e com bons tratos, os animais poderiam viver até 50 anos.

Morte prematura – O veterinário explica que a expectativa de vida dos papagaios é menor por causa das doenças e deficiências que as aves trazem do período em que estiveram nas mãos do tráfico. Além disso, os cuidados inadequados que recebem de proprietários irregulares — por descaso ou por desconhecimento — também diminuem o tempo de vida dos bichos.

Muitos dos papagaios trazidos ao zoológico apresentam deformidades, lesões traumáticas, deficiências nutricionais graves e distúrbios comportamentais. “Alguns deles arrancam as próprias penas por causa do stress causado pelos maus tratos”, disse Vanstreels. É por isso que mesmo recebendo cuidados adequados por parte dos biólogos e veterinários, os animais morrem em um “período relativamente curto”.

Conscientização – O papagaio-verdadeiro não é considerada uma espécie em extinção. Mas ela não é a única a ser trazida ao zoológico. Dentre outras, aparecem o papagaio-chuá, o papagaio-da-cara-roxa e o papagaio-charão. Segundo Vanstreels, a falta de conhecimento dos compradores é um dos principais motores do tráfico de animais. “O tráfico de animais só terminará quando as pessoas pararem de comprar a ave ilegalmente”, diz.

0 opinião sobre “Tráfico de animais reduz expectativa de vida de papagaios em até dez vezes”

  1. coitadinhos dos animais nem tem culpa de nada sao de uma especie tao imterecente ate falao com a gente e as pessoas sao tao mas com eles 

  2. Olá.Ah!Coitadinhos destes emplumadinhos.Realmente o tráfico de animais é um ato covarde e insano, e o transporte destes pobres animais passa a ser como uma câmara de horrores.Os órgãos competentes deveriam investir mais para evitar esta crueldade baseada simplesmente no vil metal.As avezinhas são consideradas tão somente objetos de barganha.É muito cruel e indecente para este país chamado Brasil.É como Vanstreels falou sobre a morte prematura destes animais, ocasionada muitas vezes por agravantes disturbios comportamentais .E tem também um outro aspecto adicional, ou seja, os animais apreendidos e retirados de seu habitat sofrem um trauma muito grande e isto também contribui para o surgimentos de doenças e estresses ocasionando muitas vezes o óbito precoce.

Deixe uma resposta