Manter um amigo fiel custa caro

O brasileiro não economiza quando se trata dos seus bichos de estimação. Cães e gatos, que cada vez ganham mais espaço nos lares brasileiros, também estão ampliando sua presença nos gastos das . Uma da Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais (Anfalpet) mostra que a média mensal do brasileiro com seus pets é de R$ 350 – o que equivale a quase 70% do salário mínimo, hoje em R$ 510.

A “mesada” vai para bancar custos como , tosa, alimentação e , além de outros mimos, como acessórios e roupas. Em algumas famílias – principalmente as que têm mais de um animal – as despesas po­­dem chegar a cifras próximas de R$ 1 mil. Um exemplo é a arquiteta e decoradora Sandra Mara Serpe Horlle, que tem oito cães. “Tí­­nhamos nove, mas um deles faleceu em setembro do ano passado. Fomos cruzando os animais e daí tínhamos pena de nos separar dos filhotes”, diz. A família canina inclui exemplares das raças maltês (Lilly Maria, Billy Chico, Cindy Carolina e Lyla Francine), yorkshire (Átila Augusto e Sushi Pedro), scottish terrier (Elga Regina) e poodle (Melanie Cristina). A conta: R$ 1mil por mês, gastos nos banhos semanais, na ração, e em mimos como roupinhas da estação, paticure (a manicure dos pets), enfeites, roupas de cama e brinquedos.

A dona de casa Maria Brogiato Panizza desembolsa cerca de R$ 85 por semana somente com o banho das shi-tzu Mila, de oito anos, Meyllin, de sete, e Felícia, de seis, além de R$ 300 com a ração, que dura cerca de seis meses. “Elas são como um membro da família. A gente cuida como se fosse filho.”

O de produtos ligados a pets, como , medicamentos, acessórios, e , já gera um anual de R$ 9,1 bilhões no . No ano passado o setor cresceu em torno de 3% e para esse ano espera-se um avanço de até 5%.

No de alimentos para pets, a participação mundial brasileira, hoje em 6%, deve crescer para algo próximo de 8% nos próximos dois anos, segundo Alfredo Capato Roldan, gerente de marketing da Anfalpet. A indústria farmacêutica também prevê avanços dentro do setor. De acordo com Luiz Luccas, presidente da Co­­missão de Animais de Companhia (Comac) e diretor da Merial Saúde, o brasileiro vem crescendo a taxas de 5% a 7%. “Podemos chegar a um crescimento de 7% a 10% nos próximos anos, com o advento de novas tecnologias para prolongar a vida dos animais, combater o e como , e .”

Hoje, 44% dos lares brasileiros possuem pelo menos um cão ou gato, segundo levantamento 2009, estudo inédito que mapeou esse mercado nas principais capitais brasileiras. Em Curitiba, o porcentual de residências com pets é ainda maior: 55%. De acordo com a pesquisa, os animais de estimação estão concentrados principalmente em domicílios das classes A e B – com participação de 52% e 47% respectivamente.

O crescimento do número de lares com bichos de estimação também fez aumentar significativamente o número de pet shops – estima-se que sejam perto de 40 mil em todo o Brasil. Dono do pet Essência do Cão, no Bigorrilho, Alexandre Brey inaugurou uma nova unidade no Água Verde há seis meses. “Crescemos 30% em 2009 e devemos crescer o dobro disso em 2010”, diz. “Há muita concorrência, até porque o investimento para abrir um pet é baixo (em torno de R$ 20 mil). Mas mesmo assim há espaço para todos”, acrescenta Marcio Alessandro de Moraes, proprietário do Pet Happy, no Rebouças. De acordo com ele, somente no raio de um quilômetro do seu negócio funcionam mais sete pets.

De tudo
O montante gasto com cães e felinos, no entanto, alimenta um mercado que vai muito além dos petshops. Clínicas veterinárias, sites de relacionamento – existe até o Orkutcão –, cemitérios e até operadoras de turismo se voltaram para esse mercado. A Dog Tour, de Curitiba, foi a pioneira a oferecer pacotes de viagens rodoviárias para donos e seus “filhos de pelo”, como costuma definir uma das sócias da agência, Maria Eugênia Bertoldi. A ideia de criar uma operadora para esse mercado surgiu da antiga proprietária, que tinha dificuldade para levar sua poodle Flavinha nas suas viagens.

Um pacote de viagem de um fim de semana para o dono e seu animal para Santa Catarina ou Paraná sai por cerca de R$ 1 mil. “Temos muita demanda e os hotéis agora começam a despertar para essa realidade. Muita gente simplesmente deixa de viajar se não puder levar seus cães”, conta Maria Eugênia. Com previsão de crescer 30% em 2010, a empresa pretende passar a oferecer um roteiro aéreo, provavelmente para o Nordeste, ainda este ano. Também nos planos futuros está a adoção de um modelo de franquia para levar a iniciativa para outros estados.

Imagens: Ilustração/Divulgação/Reprodução/Internet

Comentários