0
Shares
Pinterest Google+

Salvar um animal de estimação que escapou da casa dos donos e corre o de é uma tarefa para . Os bombeiros costumam atender aos chamados para retirar gatos do alto de postes ou de telhados quase inacessíveis. Os técnicos dos Centros de Controle de Zoonoses são treinados para recolher das ruas cachorros . Mas não é atribuição desses órgãos procurar por mascotes em perigo ou desaparecidas. Em alguns casos, além de rondar a vizinhança chamando pelo bicho ou espalhar com apelos como “gratifica-se bem” e “criança doente”, a saída é recorrer aos caça-pets.

Os de animais domésticos são quase sempre veterinários em atender aos chamados de urgência e salvar bichos de estimação à beira da . Foi essa a ideia que levou Oscar Sils e Daniel Labonia, de São Paulo, a criar a Osgate, uma empresa de socorro e transporte de pets acidentados, adoecidos ou foragidos. Para garantir a eficiência do serviço, a dupla equipou uma viatura com recursos de uma UTI móvel veterinária. O veículo carrega cilindro de oxigênio, monitor cardíaco, desfibrilador, medicamentos e outros itens capazes de garantir os primeiros socorros no caminho para a clínica. Hoje, a Osgate recebe em média três ligações por dia, cobrando entre R$ 80 e R$ 150 por chamado, dependendo do grau de dificuldade.

Na maioria dos casos, os clientes conhecem o paradeiro do animal, mas não são capazes de retirá-lo do lugar onde se meteu. “Uma vez fomos chamados para encontrar uma iguana que fugiu do terrário”, diz Oscar. “Reviramos a casa toda e a encontramos dentro de uma impressora de . Tivemos de desmontá-la para tirar o bicho de lá.” Encontrar animais perdidos é uma tarefa com baixo índice de sucesso. “É difícil evitar que um animal escape”, diz Oscar. “Quanto mais cedo se começa a procurar, é mais fácil de encontrar” (leia no quadro alguns que ajudam a evitar a fuga de cães e gatos).

Há dois anos, o casal Luciano de Oliveira Pedroso, de 35 anos, e Andréia Cristina de Paula, de 32, criou o Fofão, que atua na Grande São Paulo e no litoral paulista. O serviço atende em média a 80 chamados por mês. “Não somos veterinários, mas temos ”, diz Luciano. “Sempre gostei de animais. Fui fiscal da União Internacional Protetora dos Animais durante cinco anos e aprendi noções de resgate.” De tanto socorrer animais de forma voluntária, ele decidiu se profissionalizar. “Criamos um serviço particular que pudesse socorrer e transportar em casos de urgência.”

O serviço é uma mistura de táxi e ambulância: transporta animais que precisam de cuidados especiais, mas sem os mesmos aparatos da UTI móvel da Osgate. “Às vezes o animal fica indócil ou sente dores e por isso oferece resistência para ser ”, diz Luciano. Ele e Andréia acalmam o bicho para facilitar a remoção, mas só fazem o transporte se houver um responsável. “Não recolhemos os animais. Fazemos o atendimento e levamos para o hospital, sempre com alguém que se responsabilize”, afirma. O preço do serviço varia conforme a .

No Rio de Janeiro, um dos poucos serviços particulares de resgate de animais é feito por um homem só. Tony, como é conhecido o administrador Antonio Pires Gonçalves, de 40 anos, é uma mistura de MacGyver (o herói do seriado : perigo) com Steve Irwin, que ficou famoso como “ de crocodilos” (até ser morto por uma arraia, em 2006). Tony carrega um arsenal de armadilhas importadas, duas americanas e uma canadense, para capturar animais indóceis. Ele se diz capaz de adaptar e inventar novas arapucas de acordo com a necessidade. Vangloria-se da destreza para enfrentar situações de perigo que envolvem animais descontrolados. Neste ano, ele foi chamado por um engenheiro de uma multinacional com sede no centro do Rio de Janeiro para 17 cachorros que haviam tomado um pátio da empresa e estavam vivendo como uma matilha. “Eu usei as armadilhas e só consegui capturar dez”, diz. “Para pegar os outros, tive de construir um barraco de madeira com uma porta acionada por uma corda.”

Tony diz ter descoberto sua vocação para resgatar animais há 12 anos, quando encontrou na rua uma gata sem dono. Ao tentar se aproximar para pegá-la, viu que havia conseguido despertar sua confiança. Mas foi só em 2008 que Tony passou a socorrer animais para ganhar a vida. “Para mim, isso se tornou muito fácil”, afirma. “Sou como um encantador de serpentes, pego qualquer bicho com facilidade.” A ideia de transformar sua habilidade em fonte de renda foi sugerida por um amigo veterinário. Desde então, ele atende a cerca de cinco chamados por dia e cobra de R$ 50 a R$ 100 por resgate. Tony presta serviço para empresas e que querem retirar gatos e cachorros invasores, que ele encaminha para a Sociedade Protetora dos Animais.

A maior parte dos chamados a que Tony atende é para resgatar animais em perigo ou acidentados. Já retirou gatos de cima de telhados de prédios, cobras em sótãos, aves penduradas em árvores e até um da rede elétrica. Mas o resgate inesquecível de Tony foi uma fêmea de pastor-alemão abandonada. “Alguém jogou a cadela para fora do carro e uma conhecida me chamou para resgatá-la”, diz Tony. “Quando estávamos perto, a cadela se assustou e saiu correndo. Atravessamos seis bairros do Rio de Janeiro até conseguirmos pegá-la.”

Comentários

Previous post

Cachorros levam vida de luxo em Manhattan

Next post

Orangotango faz sucesso em zoo alemão ao pintar quadros

No Comment

  1. 04/03/2011 at 15:58 —

    Legal essa Pet Rede.

    Pessoal, os animais da região serrana estão precisando de ajuda.
    Só em Teresópolis já foram resgatados mais de 800 cães. Já passamos de
    1.500 animais, entre cães, gatos, patos, ganços, passarinhos, coelhos, cabras,
    corujas, etc.
    Ainda tem 250 cães procurando um lar.

  2. leo
    30/11/2010 at 18:05 —

    Amei a matéria. recebo uns 50 emails sobre perdidos… temos que tomar cuidado com as recompensas, pois estimula uma pessoa a roubar nossos animais. Um detalhe sempre colocar uma plaquinha de identificação com seu celular. Os meus nem dormem sem…

  3. Michelle
    29/11/2010 at 21:33 —

    Muito legal este post. Há mais ou menos 3 semanas atrás perdi minha pintcher, corri desesperadamente colocando cartazes em lugares estratégicos das proximidades de minha residência, oferecendo recompensa, isso umas 11h da noite. E no dia seguinte às 9h da manhã, a levaram na minha casa. Fiquei muito feliz e agora não desgrudo os olhos dela jamais. Mas fez falta os CAÇADORES DE ANIMAIS DOMÉSTICOS.

  4. 27/11/2010 at 19:06 —

    Gosto muito do seu blog; os posts são sempre interessantes e motivam à leitura. Continue com o excelente trabalho. Shirley de Souza Flores