0
Shares
Pinterest Google+

São Caetano do Sul – Os de animais do Grande ABC ganharam um de peso na pela de uma Regional de Animal na região, visto que, no último domingo alguns artistas que participaram da Crueldade Nunca Mais!, pelo fim da brutalidade contra os animais, assinaram uma petição para a criação do órgão. O evento aconteceu no vão livre do Museu de Artes de São Paulo (MASP), localizado na Avenida Paulista.

Entre os artistas que aderiram à causa estão a modelo, atriz e apresentadora Gianne Albertoni; o ator Marcelo Médici; a atriz e escritora Nicole Puzzi; e a atriz Marina de Sabrit. A jornalista Andrea Brock, assessora de imprensa do prefeito José Auricchio Júnior e coordenadora de programas de proteção animal junto à Administração de São Caetano do Sul, comemorou a adesão dos artistas.

“É ótimo ver tanta gente do bem lutando pela causa animal”, disse. Ela também elogiou o empenho da administração sancaetanense na defesa dos animais – a prefeitura cedeu ônibus para levar os manifestantes até o MASP e participa ativamente de diversas ações. A assessora especial de Coordenação da Ação Social da prefeitura, Regina Maura Zetone, reforçou este apoio. “Lutar pela causa animal é fantástico. Apoiar também é fundamental”, afirmou a assessora.

Além de Andrea Brock, participaram da manifestação os protetores de animais de São Caetano Reinaldo Peres, Valéria Bruxino, presidente da ONG Nipa Arca de Noé, Sergio Dea, presidente da APASCS, Sonia Denadai, Erika Mourão e mais 64 ativistas. Também marcaram presença no evento dezenas de defensores que moram nas cidades de Santo André e São Bernardo do Campo.

Segundo a defensora Andrea Brock, a implantação de uma Delegacia Regional de Proteção Animal no ABC contribuirá para registrar e dar andamento a ocorrências sobre crueldade contra animais domésticos ou domesticados, silvestres, nativos e exóticos, vítimas de abuso e maus-tratos e que estão feridos ou mutilados.

“Atualmente, se o cidadão necessita fazer uma queixa sobre maus-tratos em animais, ele procura uma delegacia comum, que já está sobrecarregada, e os casos ficam sem solução. E a Delegacia Regional de Proteção Animal viria para oferecer um atendimento eficaz a essa demanda”, explica.

A jornalista ainda ressalta que “a criação de uma delegacia com este caráter, de proteção ao crime contra os animais, corresponde aos anseios de uma grande parte da população”.

Fonte: DCI
Anterior

Crescimento do mercado de pets exige diferencial de atuação

Próxima

Guabi doa 1 tonelada de ração aos animais sobreviventes de Conselheiro Lafaiete (MG)