0
Shares
Pinterest Google+

Assim como os seres humanos, os pets também sofrem com coceiras, além de variadas, piodermites e . Sobre a pele dos seres vivos existe uma população de .

A presença equilibrada entre a população bacteriana benéfica e a patogênica não faz com que esse órgão, o maior do corpo, perca suas funções de barreira natural. Arranhões, irritações e outras lesões de pele, no entanto, podem torná-la mais susceptível a .

Nos animais de estimação, como em cães e gatos, a coceira se torna um grande e também aflige o dono do pet. Nestas espécies, os problemas de pele devem-se, entre outros fatores, a alergias variadas, piodermites e micoses. Os sinais clínicos mais comuns destes problemas dermatológicos são coceira, perda de pêlos e mal odor. Em alguns casos, o dono nem percebe que o animal tem algum sinal clínico. Nos casos mais severos, no entanto, chega a ser uma aflição ver o bichinho se coçando, mordendo a região afetada e se lambendo sem parar.

As causas das alergias e dos problemas de pele muitas vezes têm origem genética, dificultando a prevenção. É aconselhável, aos primeiros sintomas, procurar um médico veterinário para diagnosticar a causa do problema, para que a coceira não se agrave e o animal não chegue a machucar-se, ferindo a pele e, assim, permitindo a contaminação e a infecção do tecido.

Ainda que existam algumas raças mais predispostas, qualquer animal pode manifestar os sintomas e desenvolver problemas de pele. Hoje em dia, já existem exames eficazes, como raspados de pele, citologia e exames de sangue, que auxiliam o médico veterinário a um diagnóstico mais preciso para determinar as causas dos problemas dermatológicos. Além do tratamento, que pode envolver vacinas manipuladas e medicamentos para diminuir a inflamação e a coceira, é de extrema importância realizar a assepsia do ou lesão.

Apesar da dificuldade de evitar as causas do aparecimento dos problemas de pele, principalmente nos animais com predisposição, é importante tomar alguns cuidados, entre os quais limpar freqüentemente o local onde o pet costuma dormir, escovar diariamente a pelagem do animal e evitar que o pet ande ou permaneça sobre superfícies molhadas. Vale lembrar também que em condições normais, os donos de animais de estimação não precisam evitar o contato com o bicho de estimação, pois, na maioria das vezes, não estarão sob o risco de contágio.

Anterior

Você conhece a dança da tartaruga?

Próxima

Animais de estimação no emprego melhoram relação entre colegas

  • Paula

    Antes de falar sobre esse estupendo post, quero elogiar a magnífica qualidade do seu blog. Estava procurando sobre esse assunto por décadas e você me indicou a luz no fim do túnel. Já guardei nos favoritos seu blog e irei visitá-lo daqui pra frente.