0
Shares
Pinterest Google+

bebe-menino-cachorro-labrador-petrede

Ter um animal de estimação, ou mesmo brincar com os cachorros, gatos e outros bichos que ficam na casa de parentes e amigos é legal, e faz a criançada ficar feliz, mas é sempre bom tomar alguns , e é exatamente esta situação que merece uma campanha do Hospital das Clínicas, ligado à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, que direciona o foco para as casas em que moram bebês e crianças com pouca idade.

Oliveira Andrade conversou com a Filomena Gomes, ligada ao Instituto da Criança do HC, e ela relatou que o primeiro cuidado é ficar atento para evitar que os animais “cheirem” os pequenos, uma vez que o contato entre as que “habitam” os bichos e o corpo do bebê pode fazer com que, com baixa , a criança adquira alguma relacionada ao mundo animal, necessitando de rápido .

No caso dos adultos, o contato intenso também pode acarretar na doença mas, como a imunidade já é bem maior, essa chance é rara. Cada bicho deve ter seu espaço, e lá permanecer, uma vez que a simples passagem pela casa pode causar problemas, especialmente se o animal tocar em alguma comida ou fizer xixi no chão, por exemplo. Caso o cachorro esteja dentro de casa, é necessário que um adulto fique sempre de olho, para evitar esse contato com os pequenos.

Fonte: Jovem Pan Online
Anterior

Quatro informações fundamentais para você abrir e ter sucesso com uma pet shop

Próxima

Novo aplicativo permite que você jogue com seu gato de estimação

  • Karina Sanches de Oliveira

    Nossa que absurdo! Quem está editando essas matérias? Procure melhor as informações e tentem trabalhar um pouco mais para evitar o abandono e os maus tratos. Vocês estão estimulando pessoas a colocarem seus companheiros de estimação na rua!!

  • Fernanda

    Não concordo! E as doenças que o próprio humano transmite um para o outro? E esse monte de viroses polvilhadas pelo ar e pelos objetos? Se for assim, nenhum bebê deveria nascer em hospitais, pois esses sim são estabelecimentos com alta concentração de patógenos… Lógico, precisa ter o mínimo de cuidado com a sanidade do animal e da família, como lavar as mãos, retirar os dejetos regularmente, vacinar e vermifugar o animal etc. Nada como o bom senso nesses casos! Sou Médica Veterinária e discordo com essa matéria totalmente sem fundamento! Isso aí, Senhor(a) Reporter! Nós aqui, nos “matando” para diminuir o abandono de animais nesse país e você aí estimulando que mais e mais animais sejam descartados! Faz o seguinte: diga agora que bebês não podem nascer em hospitais, não podem ir à praia, nem pensar em pisar em um zoológico, pediatra só em domicilio, e indiquem as pessoas a criarem seus filhos dentro de uma redoma ou vestindo um escafandro espacial! E faça mais um favor para a humanidade: escreva matérias mais coerentes!

  • Bruna

    Péssima reportagem! Até porque diversos estudos sugerem que crianças que convivem com animais desde pequenas tem um sistema imunológico mais forte. Quando o animal é bem cuidado não há problemas para as crianças. Artigo mais sensacionalista!

  • Heidy Lima

    Deveriam ter vergonha de vincular uma matéria como essa. Uma pessoa sem informação, lê uma porcaria dessa e acha q o animal vai matar seu bebe e o joga rua! Lamentável!

  • Fala sério, essa reportagem é ridícula!
    Pet rede, escolha melhor seus “jornalistas”Se fosse assim, não teriam programas de terapias com animais em hospitais infantis. Vide essa pesuisa http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n4/24.pdf

  • Betemonta

    Queridos… não fosse a ausência de argumentos, sim, pq nada de concreto foi dito, talvez seja indicado uma página de pets rever seus conceitos e preconceitos… Me respondam: quais cuidados? Quais bactérias? Quais doenças?… vamos lá: nada de preguiça ao escrever!! Jornalista tem que informar…
    Já sobre o titulo sensacionalista, piorou… este é uma página voltada para quem gosta de pets não para robos. Seres humanos não precisam viver em bolhas nem distantes de bactérias! Ao contrário, quanto mais isolamos as crianças de coisas do dia a dia, mais frágeis ela ficam! Crianças precisam ter cuidado com seres humanos, isso sim… muitos se drogam, bebem, transmitem doenças sexuais… isso sim tem bactérias pacas… sem contar que crianças deveriam nascer de parto normal, e ainda é o local mais próximo ao anus. Logo, o canal mais próximo da fezes que a pp mãe carrega. Acha mesmo que eles não tem imunidade? Devem ter higiene… claro! Mas sem neuroses.

  • Anafernandes07

    Discordo desta pediatra. O animal sempre tem que estar presente na vida de uma criança. Animal tem que ser bem tratado claro. Agora este tipo de reportagem é um incentivo para quem tem animal e criança, jogar o animal fora. É o que mais acontece o abandono. Já se tem tanto trabalho de conscientização e responsabilidade com os animais, e esta publicação gera incentivo para o abandono de animais

  • suely bischoff machado de oliv

    Olá.Bom dia. Não compartilho desta idéia desta pediatra do HC. Concordo com Amanda.Animais e bípedes humanos,desde bebês,faz uma perfeita aliança.Se fôsse assim tão comprometedor 1 bebê se aproximar de 1 pet, eu já estaria toda empestiada.Convivo com animais desde criança e tenho excelente saúde e boa imunidade.O vínculo afetivo é extraordinário entre 1 pet e 1 humano, o que cria respeito.O que acho é que qdo se trata de 1 bebê pequeno e 1 pet, é preciso monitorar esta relação, pois o bebê pode puxar o rabo de 1 gato, por exemplo, e ser arranhado, etc

  • Discordo. Um animal bem cuidado e vacinado não oferece riscos à criança. Além do mais é bom esse contato para criar um vínculo emocional e desde cedo ensinar a criança a respeitar os animais. Mas é bom salientar que esse contato deve acontecer sempre sob a supervisão de um adulto.