0
Shares
Pinterest Google+

rato-cobaia-laboratorio-pesquisa-experiencia-petrede
A precisa usar cada vez menos bichos em , mas nunca será possível abrir mão completamente dos animais no meio científico. Essa é a avaliação do Marcelo Morales, professor da Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que falou sobre o tema durante a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que ocorre nesta semana em Natal.

“Vai ser muito difícil, quase impossível [não usar animais em pesquisas]. Quando testamos um que pode curar uma de câncer, é possível fazer um frasquinho com uma cancerígena, tratar e ver. Mas será que quando injetado no rato, no camundongo, no ser humano, no porco, no macaco, não vai matar o organismo inteiro?”, questionou.

Morales foi um dos grandes incentivadores da , regulamentada há um ano, que estabelece regras para o uso de animais em pesquisa no . Apesar de julgar importante utilizar , ele se considera um ativista em prol dos bichos. “Eu lutei para que fosse criada uma que protegesse os animais.”

Segundo o , que é membro do Nacional de Controle da Experimentação Animal (Concea), a Lei Arouca ainda não foi completamente implantada, pois ainda falta definir qual órgão federal fará a do uso de animais em pesquisa, além de ser necessário criar um cadastro das instituições que conduzem esses estudos.

O médico defende, também, que sejam financiadas novas pesquisas para métodos alternativos ao uso de bichos durante os testes. “Ainda há poucos que fazem. No exterior, isso é mais avançado.”

Conscientização
Depois de conseguir aprovar a lei, pesquisadores agora se esforçam para mostrar às pessoas que precisam usar animais para fazer ciência. “Quando falo que sou pesquisador, cientista, a primeira coisa que vem na cabeça das pessoas é que eu mato ratinhos”, diz Morales.

Recentemente, um grupo de acadêmicos, entre eles a SBPC e a Associação Brasileira de Ciências (ABC) conseguiu apoio do governo federal para veicular um comercial de TV dizendo que “hoje, quase todos os medicamentos (..) são resultado de pesquisa com animais de laboratório”.

De acordo com o cientista, haverá também nas escolas públicas de ensino médio, com cartilhas e cartazes. “Isso vai incitar o aluno à discussão”, defende.

Fonte: G1
Cientista diz ser ‘quase impossível’ deixar de usar animais em pesquisas foi modificado pela última vez: julho 7th, 2014 por Alexandre Domingues
Anterior

Chinês alega ter galinha de 22 anos, equivalente a 400 anos humanos

Próxima

São Paulo prepara campanha para vacinar 7 milhões de animais