0
Shares
Pinterest Google+

fatdogOs mimos na do seu animal de estimação, como dar carne ou pão, podem até agradar, mas muitas vezes resultam em uns quilinhos a mais. A em animais, apesar de não causar tanta preocupação nos donos, pode acarretar em sérios riscos à do seu cão ou gato. Aliado às porcarias ingeridas, o fato de muitos ‘pais’ não levarem seus pets para passear nem brincar acabam deixando os bichinhos meio gordinhos, quando não obesos.

O ganho de peso se dá, principalmente, por causa da diferença entre a quantidade de consumidas e gastas. Se o bichinho se alimenta bem, mas não gasta , ele pode ficar gordinho. Também nos casos em que o animal queima bastante , mas come muitas guloseimas, os quilinhos a mais podem aparecer. Se ele só come besteiras e não se exercita, então, é provável que ele se torne obeso.

E a obesidade pode trazer muitos problemas: , , doenças de pele e menor expectativa de vida, além de problemas cardiovasculares, articulares e respiratórios. Apesar dos possíveis danos, muitos proprietários acabam não reconhecendo o excesso de peso e não levam os animais ao .

fatcatDiagnóstico
Segundo Karina N. Venturelli Gonçalves, gerente do Departamento Técnico e Formulação Pet do grupo Guabi, identificar se o seu bichinho está gordinho é fácil: nos animais de pura, as proporções entre o peso, tamanho e idade do pet ajudam a diagnosticar sem problemas se ele está ou não acima do peso; já nos vira-latas, o método mais fácil para verificar a quantidade de gordura no corpo dele é passando a mão sobre o tórax e musculatura abdominal.

Se as costelas estiverem visíveis e a cintura estiver bem definida – sem gordura para apalpar – é sinal que ele está muito magro. Se for possível apalpar as costelas e visualizar bem a silhueta da da curvatura abdominal, significa que ele está no peso ideal. Agora, no caso de, ao passar a mão sobre as costelas, não sentir os ossos por causa da gordura que os encobre, ele deve estar acima do peso.


Para se certificar se o bichinho realmente está acima do peso e para garantir a eficácia no tratamento, é recomendável o acompanhamento veterinário. À primeira vista, o profissional irá avaliar as condições de saúde do animal, para só depois passar as orientações necessárias para a do pet.

O primeiro passo é cortar as guloseimas que o animal ingere, trocando, inclusive, o tipo de da qual ele se alimenta para uma que seja própria para o emagrecimento – com baixa quantidade de calorias, mas que não tenha defasagem em vitaminas e minerais. Esses alimentos ‘dietéticos’, por assim dizer, têm também maior porcentagem de e , que mantêm a massa magra e ajudam a eliminar as gorduras.

Os físicos complementam o tratamento, mas é bom lembrar que, por o animal estar acima do peso, ele pode sentir dificuldades para longos ou corridas. Por isso, se a língua estiver para fora, a respiração excessivamente ofegante e ele rejeitar continuar, é preciso respeitar o limite do pet. O ideal é ir aumentando, aos poucos, a intensidade das atividades e continuar frequentando o veterinário para conferir os resultados.

Fonte: Donna
Anterior

Mulheres tratam seus pets como verdadeiros filhos

Próxima

Cães aumentam produtividade no trabalho, segundo pesquisa