0
Shares
Pinterest Google+

parasitaMelhoria nos hábitos de como do , e de periódicos são métodos que melhoram a de vida dos pets.

A é uma das moléstias intestinais mais freqüentes nos animais domésticos, tendo mostrado altos índices de em várias regiões do país atingindo cerca de 50% de de em quase todos os canis. Em , a incidência é menor. Apenas 11% ocasionalmente se infectam.

A doença costuma se manifestar com maior gravidade em filhotes, nos animais com baixa de imunidade, e naqueles que apresentam outros quadros infecciosos que comprometem o bem-estar do animal.

Nos cães e gatos esta enfermidade provoca uma enterite, ou seja, diarréia com odor fétido, com presença de fezes moles, às vezes com muco e estrias de sangue. Desidratação, cansaço e falta de apetite também são outros sintomas que devem ser levados em consideração. Os surtos ocorrem principalmente no verão.

Segundo os veterinários Fernanda Malatesta e José Pedro Nogueira Estrella, responsáveis pela Clinica Veterinária Pro – Animal, essa doença é causada pelo protozoário Giardia. “O agente causador é o parasita protozoário Giardia lamblia que vive no trato digestivo dos animais. Por ser uma zoonose, pode ser transmissível para os seres humanos, principalmente para as crianças que tenham mantido contato com animais doentes”, alegam.

Feito o diagnóstico, é possível tratar a doença com medicamentos específicos. Outro cuidado que deve ser tomado é em relação à qualidade da água consumida. “Os animais se infectam quando ingerem cistos de animais infectados, o que ocorre através da água. Portanto, é necessária higienização ambiental, vacinação e exame de fezes periodicamente”, alerta Fernanda.

A veterinária considera que é importante eliminar os sinais clínicos associados com a infecção. “Nos animais, sempre ocorre novamente a manifestação, se os cistos infectantes não são retirados do ambiente.

Isto implica em uma limpeza e desinfecção profundas sempre que possível, além de assegurar que a água e o alimento não se contaminem com as fezes”, explica.

De acordo com José Pedro, a é diagnosticada pelo encontro do agente nas fezes frescas. “Pelo menos três exames devem ser realizados durante o curso de sete a dez dias antes de descartar o diagnóstico de vez que o cisto da Giardia lamblia (forma infectante do parasita) se instale no meio ambiente dificultando a eliminação, pois esta forma pode resistir por longos períodos, mesmo em climas frios e úmidos.

Mesmo em cães e gatos saudáveis, que não representa sintomas, podem ser feitos exames de fezes como controle”, recomenda.

Os veterinários ressaltam que existem diversos medicamentos no mercado para o tratamento da Giardia, entretanto, nenhum é eficaz em 100% dos casos, o que significa que a falha na resposta ao tratamento com a droga não exclui o diagnóstico. “Se os animais estiverem debilitados ou desidratados, medidas de suporte devem ser tomadas”, advertem.

Os agentes quimioterápicos incluem os nitroimidazóis (metronidazol, tinidazol), furadolizona, benzimidazóis (febendazol, albendazol), além da vacina. “Está provado que a vacina estimula o animal a resistir ao parasito, sendo uma solução efetiva em longo prazo para o controle desta enfermidade parasitária, já que a imunidade natural contra Giardia é de curta duração”, esclarece Estrella.

Mesmo que os tratamentos se mostrem eficazes, a reinfecção em animais é muito freqüente, devido à dificuldade de se eliminar os cistos infectantes do ambiente. “Um animal vacinado, além de protegido contra giardíase, não representará mais uma fonte de infecção a outros animais e até mesmo a seres humanos contactantes”, finalizam.

Sobre a Clínica Pró-animal
O serviço de oncologia especializado que a Pró-animal oferece conta com atendimento personalizado e o melhor centro cirúrgico de toda a Região.

Preparado para qualquer tipo de procedimento, com equipamentos de monitoração e anestesia de última geração, possibilita a avaliação do animal para se detectar, por exemplo, se está anêmico ou com infecções urinárias.

Outro ponto que merece destaque é a sala especial para quimioterapia. O espaço conta, também, com um mini-laboratório de emergência.  Uma das diretoras da clinica, a veterinária Fernanda Malatesta, tem pós-graduação em clinica médica e experiência com a área de oncologia, tendo trabalhos publicados em congressos dessa área. O outro sócio da clinica, José Pedro Nogueira Estrella, é pós-graduado em anestesiologia veterinária, tendo, também, publicações em congressos.

Fonte: www.segs.com.br
Anterior

Saiba como manter a saúde oral dos pets em dia

Próxima

Como proteger os cães das principais doenças no inverno

  • Cuidados simples fazem toda a diferença, na verdade, é o simples que diferencia, e não o complexo.

  • A minha cadelinha está sempre sendo monitorada e sem dúvidas ela é muito bem cuidada e por isso não tenho medo q ela tenha alguma doença.Mas sem dúvidas essa é uma boa dica para quem possui animais de estimação…

  • Os animais merecem todos os cuidados necessários para uma vida saudável. Se é para tê-los, devemos dar tudo o que é necessário para eles. Um abraço. Drauzio Milagres.