0
Shares
Pinterest Google+

Nessa era de confissões maternais, eu tenho que admitir: eu não gosto de animais de estimação

Como meus três filhos têm um pai , eu neguei a eles o benefício da presença de caninos, felinos ou mesmo de eventuais roedores em nossa casa.

Contudo, desde que pesquisadores começaram a se concentrar na relação entre animais de estimação e crianças, eu passei a me interessar pelo assunto, mesmo que, ocasionalmente, de forma cínica ou na defensiva.

O tempo inteiro, os pediatras são questionados sobre assuntos relacionados a animais de estimação. Qual é a idade correta para cuidar de um bicho de estimação? Qual é a melhor maneira de conversar sobre a de um animal de estimação? Nós precisamos nos livrar de nosso gato, caso nosso filho seja alérgico a ele? O cachorro vai morder o bebê?

Para um fenômeno tão tremendamente generalizado quanto a posse de animais de estimação, há muito poucas pesquisas que possam servir de orientação.

Mas, agora, os pesquisadores estão avaliando diversas questões relacionadas ao desenvolvimento normal das crianças, à infantil, a crianças traumatizadas e ao autismo. Pode-se dizer que este é o momento do cão.

A pesquisa ainda é limitada, mas as questões se tornam cada vez mais interessantes à medida que os cientistas trazem mais rigor ao estudo dos efeitos psicológicos e emocionais da posse de animais de estimação, além das preocupações pediátricas de sempre, como alergias, mordidas e infecções.

“Existem evidências de que algumas crianças parecem se beneficiar com seu com esses animais”, afirmou James Serpell, diretor do Centro de Interação entre Animais e a Sociedade, na Universidade da Pensilvânia. “Todos parecem conhecer aquele mecanismo.”

Muitas famílias adquirem animais de estimação principalmente pelo bem das crianças, afirmou Alan Beck, diretor do Centro de Relacionamento entre Humanos e Animais na Universidade de Purdue. “Por que as pessoas têm um animal? Na maior parte, porque elas acreditam que isso é bom para as crianças _ e, até certo ponto, isso parece ser verdade.”

A propósito, há uma convicção comum que afirma que conviver com um animal de estimação ensina habilidades que as crianças podem utilizar em suas interações sociais com outros humanos.

Descobrindo como os animais afetam o emocional das crianças foi modificado pela última vez: novembro 22nd, 2016 por Alexandre Domingues
Anterior

Seleção artificial provoca problemas cerebrais em cães domésticos

Próxima

A verdade sobre os gatos: eles fazem bem à saúde

  • suely bischoff machado de oliv

    Olá.Bom dia.Os animais são maravilhosos e criam laços afetivos muito significativos para crianças e jovens,adultos,idosos,etc Mas, infelizmente tem gente que só associa a coisas negativas, tipo alergias a pêlos,doenças outras, etc,mas esquecem que a convivencia com os animais desde tenra idade faz com que o sistema imunológico desta criança, evolua e se fortifique cada vez mais.Ainda bem que existem pesquisadores que estão tendo um outro olhar para a convivencia humanos e animais.Estes animais são benéficos em todos os sentidos, na esfera afetiva,física,organica,comportamental,etc………..Eles fazem bem  para pacientes com depressão,estresse,com obesidade,com baixa auto estima,com limitações de locomoção,etc…Eles vêm o ser humano sem discriminar,sem ofender, sem julgar, se é rico ou pobre, alto ou baixo, magro ou gordo,etc………..Eles  nos amam incondicionalmente.Se abraçar,beijar,dormir com animais fôsse algo perigoso para a saude, eu já estaria empestiada, pois desde criança tenho e convivo com animais, e  tenho ótima saúde.