0
Shares
Pinterest Google+

Quem diria que o simples contato com um animal – devidamente adestrado e acompanhado por responsáveis – pode melhorar a vida de portadores de tão diversas quanto , , cerebral, , , , síndrome do pânico, , transtorno do déficit de atenção e ?

Cães, , , e até répteis podem ser utilizados para auxiliar o trabalho de fisioterapeutas, ocupacionais, , e médicos. A iniciativa, quando empregada sistematicamente, é chamada de TAA ( Assistida por Animal). Já quando as visitas são esporáticas, mas realizadas sob os mesmos moldes, recebe o nome de AAA (Atividade Assistida por Animais).

Há três anos, os cães fazem parte da equipe de profissionais que atuam junto a uma parte dos pacientes da Avape (Associação para Valorização da Pessoa com Deficiência), em São Bernardo do Campo (Grande ABC). A iniciativa partiu de uma psicóloga da entidade e foi aprovada pela gerente do local, Simone Senna:

– Os cães são empregados principalmente quando há uma dificuldade do paciente em aceitar o tratamento, funcionam como uma ponte até o fisioterapeuta, o psicólogo. Percebemos que a participação do animal acelera o processo terapêutico.

Klayton Giordani, psicólogo da instituição, enumera outros benefícios da interação entre os bichos e seus pacientes:

– A partir do contato com os animais, observamos a melhora na postura física e na capacidade motora de crianças com paralisia cerebral. Ao pentearem o pelo do cão, por exemplo, elas estão fazendo exercícios de fisioterapia. Os animais também são eficazes para aumentar a autoestima e a sociabilidade dessas pessoas, que estão mais acostumadas a receberem comandos do que a darem ordens.

Mas a prática envolve certos . Para se tornar um “terapeuta”, o animal não pode apresentar nenhum traço de agressividade e passar por um adestramento específico. Além disso, devem ser examinados por um médico veterinário, e estar com todas as vacinas em dia, de banho tomado e unhas cortadas, avisa a psicóloga Roberta Araújo, do Pelo Próximo, do Rio de Janeiro. Entre os locais visitados pelos 17 cães e pelas três aves do programa, está a Obra Social Dona Meca, no bairro carioca de Jacarepaguá.

– O bicho tem de ser dócil a ponto de não revidar nem mesmo a um gesto , o que é até bastante comum de acontecer na interação com pacientes de Alzheimer e de autismo. Nesses casos, a única reação aceitável é se afastar para não ser agredido novamente. Mais do que isso, o animal deve ter um olhar muito amoroso para com aquele que o agrediu.

Além da área da saúde, há outros ambientes de trabalho para os voluntários do reino animal, afirma a adestradora e consultora comportamental Tatiane Ichitani, do Cão Cidadão:

– Podem ser utilizados também em escolas, pois ajudam crianças com dificuldade em aprendizado, entre outras situações.

Fonte: R7
Anterior

Modelo avançado de cão robótico começa a ser vendido no Japão

Próxima

Americano pode pegar até 15 anos de cadeia após ato sexual com cão