0
Shares
Pinterest Google+

O de qualquer espécie, desde a , revela ser uma ameaça para a humana. Um recente estudo, publicado na revista Nature, explica que cada vez que desaparece um grupo de animais, aumenta o aparecimento e de . Coincidentemente, neste Ano Internacional da , a World Wild Fund (WWF) publica uma lista anual das mais ameaçadas.

Segundo os autores do artigo, do Bard College (Estados Unidos), a biodiversidade vai muito mais além do que lutar pelo meio ambiente, porque são uma rica variedade de espécies animais e vegetais que nos ajudam a protegermo-nos dessas doenças. A investigação “Impacto da biodiversidade no aparecimento e transmissão de doenças infecciosas” explica que a consequência se traduz no aumento de organismos patogénicos.

Os investigadores adiantam ainda que muitos dos animais, plantas e micróbios que desaparecem são os que amenizam a transmissão de diferentes enfermidades infecciosas e já descobriram o padrão geral no qual incide este desenvolvimento de doenças e a transmissão de uma vasta gama de sistemas infecciosos.

O declive na biodiversidade debilita o efeito protector das diferentes espécies, mas especialmente na terra do que nos oceanos, já que esses são mais afectados pelas alterações climáticas. Contudo, os cientistas de Barn não conseguem ainda explicar por que as espécies mais resistentes são as que amplificam os patogénicos, mas alertam para o fato de a conservação dos habitats ser a melhor forma de prevenir a situação.

Top dez
A WWF publicou a lista das dez espécies mundiais mais ameaçadas em 2010 e às quais prestou uma especial atenção durante este ano. As escolhas da organização mundial de conservação são apenas algumas de um vasto universo que está a à beira da extinção de forma preocupante e negligente pela perda de habitats, pela caça ilegal e as alterações climáticas.

A lista destaca o (Panthera tigris), o polar (Ursus maritimus), a do Pacífico (Odobenus rosmarus divergens), o pinguim de magalhães (Spheniscus magellanicus), a de couro (Dermochelys coriacea), o rabilho do Atlântico (Thunnus thynnus), o da montanha (Gorilla beringei beringei), a monarca (Danaus plexippus), o de Java (Rhinoceros sondaicus), o gigante (Ailuropoda melanoleuca) e a imperial (Aquila adalberti); esta última, em .

Fonte: Ciência Hoje
Anterior

Ter um cão pode, literalmente, fazer bem ao o coração

Próxima

Qual é o animal mais rápido dos oceanos?