0
Shares
Pinterest Google+

da Fundação Oswaldo Cruz (), vinculada ao Ministério da , chegam à Capital, no próximo sábado, para participar de uma expedição científica em conjunto com as secretarias de do Estado e de .

O objetivo é determinar quais os animais silvestres contribuem para a do ciclo de vida dos mosquitos transmissores da no Canto dos Araçás, na Lagoa da Conceição, no Leste da Ilha de .

Segundo a gerente de da Diretoria de Vigilância epidemiológica (Dive) de Santa Catarina, Suzana Zeccer, o estudo deve durar cerca de uma semana. As atividades estão previstas para começar no domingo. A vai contar com a participação de 15 profissionais, entre , , biólogos e . A Fiocruz é considerada a mais destacada instituição de ciência e tecnologia em saúde da .

— O primeiro passo será o reconhecimento do local e em seguida as escolhas das áreas onde serão feitas as coletas de silvestres para o estudo. Depois do trabalho de campo, o material recolhido vai ser levado para a Fiocruz para análise, mas não temos como prever quando o resultado ficará pronto — explica.

As fontes de infecção das leishmanioses são, principalmente, animais silvestres. Os mosquitos (insetos flebotomíneos), ao picarem esses animais, acabam sendo e se tornam transmissores.

Porém, como há muitas pessoas que moram próximas a matas, os cães podem ser infectados e transmitir para o homem. A leishmaniose visceral é crônica. Se não for tratada, pode levar à morte em até 90% dos casos humanos.

De julho até o início de setembro, quatro cães do Canto dos Araçás, na Lagoa, precisaram ser exterminados por causa da doença.

Exames confirmam cinco
A secretaria de Saúde da Capital divulgou ontem o resultado das 206 amostras de de cães encaminhados ao . Do total analisado, cinco foram confirmados, totalizando nove casos.

De acordo com informações da assessoria de imprensa, foi descartada a contaminação em outros locais da Grande Florianópolis. Todos os registros positivos eram de animais do Cantos dos Araçás. Os cães devem ser exterminados.

Entretanto, a Dive informou que foram registrados 13 casos, sendo que oito foram confirmados no exame das 206 amostras e cinco foram exterminados. O chefe da Vigilância em Saúde de Florianópolis, Anselmo Granzotto, não foi encontrado pela reportagem para esclarecer a divergência nos dados informados.

Para identificar um cachorro com leishmaniose, devem ser observados sintomas como emagrecimento, feridas na pele e anemia. Porém, como há outras doenças que não são graves e possuem os mesmos sinais, o indicado é levar o animal a um veterinário se houver qualquer suspeita.

Anterior

Cidade americana proíbe garoto de ter porquinho de estimação

Próxima

Pit bull: para estimar ou extinguir?