0
Shares
Pinterest Google+

Muitos donos de e se preocupam em manter a de seu animal de estimação impecável e, na maioria das vezes, esquecem de que levar o animal periodicamente ao é de extrema importância.

É o que mostra o levantamento realizado pelo Radar , encomendado pela Comac (Comissão de Animais de Companhia)que faz parte do Sindicato da de para Animal ().

O resultado da revelou que, para muitos , a atuação desses se restringe apenas a de , embora seu papel seja muito mais amplo, refletindo, inclusive, na saúde dos proprietários e na qualidade da relação entre ambos.

Dos donos de animais de companhia, 24% tem o de levar seus bichos de estimação a consultas periódicas e, descontando os proprietários que levam seus pets para tratamentos prolongados, este número cai para 11%. A pesquisa foi realizada com representantes das classes A,B e C.

De acordo com o médico veterinário e da Comac, Luiz Luccas, essa mudança de postura resolveria casos de doença como a cinomose, uma das mais importantes enfermidades que acomete os cães e está longe de ser erradicada no país, uma vez que vacina-se hoje apenas 20% da população canina nacional.

O mesmo acontece na hora de orientar procedimentos como vermifugação, utilização de antiparasitários e acompanhamento da certeira de vacinação do animal.

Apesar de 74% dos entrevistados afirmarem aplicar antiparasitário e 73% vermifugarem os animais, o médico veterinário deve acompanhar questões relacionadas à dosagem, frequência e procedimentos corretos para administração e, consequentemente, melhor resultados dos tratamentos.

Luccas acredita que para fazer a maioria dos donos de cães e gatos reconhecerem a importância das consultas periódicas ao veterinário, há a necessidade de ressaltar, além dos aspectos relacionados à saúde do animal, a importância da relação pet-proprietário.

“Os veterinários precisam reconhecer seu papel na relação entre proprietários e seus animais de estimação, valorizando o papel que os animais de companhia estão ocupando na vida das pessoas”, afirma Luccas.

É preciso que se tenha uma conscientização de que a companhia do cão e do gato pode trazer benefícios e bem estar ao ser humano.

Dessa forma, Luccas acredita que os veterinários devem ter um papel atuante como formadores de opinião, desmistificando questões ligadas a riscos a saúde humana, em detrimento a aspectos positivos para seu desenvolvimento proporcionado por esta relação, bom como os benefícios dos animais principalmente para as pessoas da terceira idade.

“Além de ser uma ótima companhia, os idosos são motivados a sair de casa para passear com seu cão, o que aumenta sua disposição, evita a depressão e melhora seu estado imunológico como um todo”, relata.

Anterior

Gata de 43,4 centímetros é o felino doméstico mais alto do mundo

Próxima

Porquinho-da-índia emplaca nos pet shops

  • Rosa

    Mas, uma parte dessas pessoas, uma boa parte eu diria, não faz mais consultas por falta de condições financeiras também, na minha opinião. A consulta veterinária é geralmente cara, fora da possibilidade de muitas pessoas…. Creio que deveria existir um movimento da parte dos próprios veterinários para facilitar esse pagamento e diminuir o custo de outros, como a castração precoce, por exemplo.
    Bjs.

  • Laura

    Confesso que era uma dessas pessoas, até a veterinária me explicar numa boa como devo proceder. E como eu amo meu bichinho…Obedeço de agora em diante! 😉

  • É sempre aquela visão de não valorizar a prevenção e esperar o “caldo entornar”. Um abraço. Drauzio Milagres.