0
Shares
Pinterest Google+

O Ministério da Saúde divulgou, nesta sexta-feira, uma nota em que recomenda a continuidade da de antirrábica animal em todo o território . Segundo o ministério, as de cães registradas até o momento não justificam a interrupção, pois os números estão abaixo do relatado na literatura internacional. “A não vacinação de animais contra representa um risco para a vida da , pois podem gerar a ocorrência de casos humanos, que possuem taxa de letalidade próxima de 100%”, afirma a nota.

A Secretaria da Saúde de anunciou, na quinta-feira, que recomendou a todos os municípios a suspensão da vacinação contra a raiva animal em cães e gatos, por precaução, porque o número de reações adversas notificadas ao órgão está acima do observado em anos anteriores, e coloca em risco a vida dos bichos.

O ministério diz que foi comunicado de nove eventos graves, sendo oito deles mortes. Na região metropolitana foram dois casos, São Paulo teve quatro e (SP), três. Segundo as autoridades, já foram vacinados 309.031 animais, entre cães e gatos, o que situa a taxa de letalidade da vacina em 0,0029%. O esperado pelo produtor da vacina é uma taxa de 0,01% e o registrado pela literatura veterinária internacional é de 0,445%.

“Cabe destacar, ainda, que outros quatro Estados que receberam a mesma vacina também não relataram ocorrência de eventos graves”, diz o texto divulgado pelo ministério. As mortes são atribuídas a fatores como a hipersensibilidade do animal a compostos da vacina, local de conservação, manejo do animal no momento da aplicação, doenças concomitantes, idade, número de doses aplicadas, tipo de agulha e e via de administração.

Segundo o ministério, a vacina antirrábica utilizada atualmente é produzida em cultivo de células, cuja resposta imunológica é de um ano. A vacina anterior assegurava uma proteção entre seis e sete meses. A vacina de cultivo celular é a recomendada atualmente pela Organização Mundial da Saúde () e utilizada em diversos países. Desde 2003, o laboratório produtor tem registro e licença no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e comercializa o produto no País na rede privada de clínicas veterinárias.

O Ministério da Saúde assegura que, em parceria com o Ministério da Agricultura, monitora os eventos adversos graves decorrentes da vacina e afirma que tomará as medidas cabíveis caso seja necessário.

Fonte: Terra
Ministério: morte de animais não justifica interromper vacinação foi modificado pela última vez: julho 7th, 2014 por Alexandre Domingues
Anterior

Coala é atropelado, mas sobrevive ao ficar preso na grade do carro

Próxima

Centro de Zoonoses apura mortes de animais no Rio após vacina antirrábica