0
Shares
Pinterest Google+

É difícil encontrar pais que não ouviram seu filho pedindo, quase implorando, um animal de estimação. Pelo fato de exigir bastante e , muitos ficam confusos e inseguros sobre receber ou não um bichinho dentro de casa ou no quintal. Além disso, entender os desejos que povoam o imaginário das , quanto à escolha do bicho, muitas vezes se torna mais difícil do que só concordar com a vinda de mais um integrante à .

Com apenas 5 anos, Marina Oliveira da Silva, decidiu que queria ter um casal de . Como a presença de gato e cachorro não fez bem para sua bronquite, seus pais, Daniel da Silva, 27, e Mariana Oliveira da Silva, 25, decidiram construir um viveiro no quintal e fazer a vontade da menina. Durante pouco mais de dois meses de , Marina já afirma que “ama seus filhos perus”.

“Esse preto é o Tico e essa branca é a Téca. Eles são meus filhos. Eu brinco com eles todos os dias”, disse a menina. Além de se divertir com as aves dentro do cercado feito pelo pai, Marina conta que dá água, de milho e couve para o casal de peru. “O Tico é muito guloso e come mais. A Téca é mais boazinha e gosta de dormir no meu colo”, comentou.

Ao contrário de Marina, que escolheu seus animais, o pequeno Gustavo Caravita, de 2 anos e cinco meses, convive com quatro poodles desde que nasceu. Segundo sua mãe, Priscila Camila da Conceição, de 24 anos, o menino fica o dia inteiro atrás dos cachorros de sua avó, Cleusa Soares Caravita.

“Na verdade os poodles adotaram meu filho aqui na minha sogra. Ele gosta tanto dos cachorros que logo que começou a falar já sabia diferenciar cada um”, explicou Priscila. Alegre e cheio de liberdade com os animais, Gustavo realmente conhece cada animal. Pegando um por um do colo, ele os apresentou: “Esse é o Catito. Esse é o Kuqui. Essa é a Cacau. E, essa é a Faninha, que é a mais boazinha”. Mesmo com algumas histórias de mordidas, por conta do excesso de beijos e abraços, Gustavo não desgruda dos animais. “O Catito é bravo e já mordeu meu braço. Mas, ele é meu amigo”, afirmou.

OUTROS AMIGOS. A relação das irmãs Lívia Gigliozzi, 8, e Ana Beatriz Ribeiro Prestes, 12, com , é vivenciada por alguns anos. As meninas já tiveram outros animais da mesma espécie, mas, como eles fugiram, elas sempre pediram outro para sua mãe, Iracema Lopes Ribeiro.

“Um fugiu há dois anos e a outra há quase dois meses. Daí minha mãe trouxe outro ”, contou Lívia, enquanto carregava o Greemilin. Com apenas um mês, o coelho veio para substituir a ausência dos dois fujões. “Eles são fofinhos, engraçados e fácil de cuidar”, contou Ana Beatriz, ao informar que o animal se alimenta de cenoura e folhas verdes escuras.

Influenciado pelo padrinho, que lhe presenteou com um há três anos, João Pedro Gilbertoni, 12, precisou entrar numa escola de equitação para iniciar seu relacionamento com o animal. Além das aulas, o adolescente precisou ler alguns livros para conhecer melhor o novo amigo. “Conforme eu aprendia e convivia com o animal, fui gostando cada vez mais. Hoje ele até me entende. Sabe quando estou irritado ou chateado”, relatou.

Com o passar do tempo, João Pedro e o Paladino se tornaram mais que amigos. “Com as aulas comecei a competir a viajar com ele. Hoje somos parceiros. Eu aprendo com ele e ele comigo”, afirmou o garoto. Além de treinar três vezes por semana, Gilbertoni dá banho, escova e confere todos os acessórios antes de montar. “Sei que meu cavalo está bem e com bastante saúde”, afirmou.

Animais ajudam no aprendizado
Estudos revelam que o contato com animais pode ser uma forma de a criança aprender e exercitar elementos importantes para seu amadurecimento, como o afeto, o cuidado, o respeito e a . De acordo com a psicóloga e articulista do site Educacional, Paula Dely, as responsabilidades e as exigências dos animais mostram às crianças que outros seres vivos precisam desses elementos para . “Esse aprendizado acaba sendo generalizado para os contatos de grupo e para os aspectos relacionados a si mesmo. É um processo importante para o desenvolvimento da sociabilidade e da auto-estima”, explica Paula.

Ainda segundo a especialista, conforme a criança amadurece, ela passa a ampliar sua percepção do mundo, anteriormente voltada para si mesma e seus pais. Nesse momento, é importante que ela exercite sua capacidade de se relacionar com os outros seres, desenvolvendo noções de respeito e dedicação.

O contato com os animais também possibilita que a criança aprenda sobre o ciclo da vida, as perdas, o nascer e o morrer e, assim, incorpore noções sobre sua própria natureza e sobre o mundo em que vive. “O desenvolvimento de condutas responsáveis por parte das crianças também pode ser estimulado. Com apoio dos pais, os filhos serão instruídos a exercer os cuidados diários necessários à sobrevivência dos bichinhos, como a e a higiene”, ressaltou a psicóloga.

Paixão pelos animais foi modificado pela última vez: abril 14th, 2016 por Alexandre Domingues
Anterior

Ex-casal que brigava na Justiça por cão terá que compartilhar guarda

Próxima

Nestlé Purina apresenta nova variedade da marca Cat Chow

  • Syl

    É um amor sem limites, sem explicação. Quando percebi já estava completamente apaixonada, envolvida. O Toy (poodle cinza de 12 anos) me conquistou desde o dia em que o ganhei, aos 2 meses de idade. Por incrível que pareça tinha o temperamento muito parecido com o meu – sistemático. Era muito carinhoso, amigo, companheiro, mimado, moleque, aparecido, divertido, mulherengo – rs. Há 60 dias eles virou uma estrelinha, é a que mais brilha na constelação Star Dogs, a mais danadinha! Sinto muito a sua falta, fizemos de tudo por ele, mas não deu. Agradeço todos os dias por ele ter feito parte da minha vida nos 12 anos. Me ensinou a amar e suportar o ser humano. Quem não ama ou não respeita um animal não merece estar nesse mundo.

  • Eu tenho 3 cachorros aqui em casa. De vez em quando, fazem a maior gritaria e bagunça e tenho que “brigar” com eles , mas eu os adoro! Os dois machos eu chamo de meus guarda-costas, porque se eu tenho que ir até o portão de entrada de casa, eles me acompanham, um de cada lado, é muito engraçado!
    Dá uma olhada no meu blog “Os 10 pedidos de um cão” que tem muito a ver com o seu post..
    Abraço

  • animais são uma coisa tão linda e pura… não sei como tem gente que não gosta!!
    o meu cachorro morreu no começo desse ano e como ano que vem vou pra faculdade, meus pais não querem outro, por enquanto =/
    sinto saudades pq eu me acostumei a conviver com barulho de coisas caindo, latidos no meio da noite e as passadas de pata que ele dava em mim quando estava afobado pra brincar!!

    • Syl

      Eu tb perdi o meu cachorrinho e parece que as demais coisas não tem mais sentido. Adota um outra, mas não o leve para casa. Fizemos isso e serve como um paliativo para a saudade, a dor.