0
Shares
Pinterest Google+

Quem gosta de com seus bichinhos de estimação no , deve estar atento à , tanto dos pets como do e dos demais passageiros. Para o de cães e gatos, que representam a grande maioria dos animais domésticos, existem várias soluções encontradas nos . A maneira mais segura é usar a caixa de presa ao cinto de do banco traseiro, mas tem limite de tamanho e nem sempre é prazeroso para o bichinho. Outra forma correta é o uso do cinto de do animal, que vai ajustado ao cinto do banco traseiro do veículo. E existe ainda a cadeira de , com função semelhante à da cadeirinha de bebê.

Hermes Augusto de Souza e Cláudia Moreira Leal, sócios na Clínica Veterinária Planeta Animal, alertam que é preciso habituar o animal a usar a caixa para que ele fique tranquilo. “Muitas pessoas acabam pegando uma caixa emprestada de algum amigo um dia antes da , sem se dar conta de que não podem simplesmente enfiar o cachorro para dentro”, lembra Hermes. “É preciso comprar uma caixa uma semana antes e habituar o animalzinho a entrar um pouco a cada dia”, aconselha. “Aí ele não se assusta e vai saber que não é algo agressivo e que, da mesma forma como ele entra na caixa, depois vai poder sair.”

As cadeirinhas, assim como as caixas, são para raças pequenas ou médias e para filhotes e têm a vantagem de o animal poder ver o movimento da rua e interagir com os donos durante os deslocamentos. Quanto às caixas, tem para todos os tamanhos, mas o médico veterinário lembra que, por exemplo, a caixa para um cão adulto de raça fila não cabe no banco traseiro de um carro de passeio. “Nesses casos, as pessoas podem contratar uma empresa especializada em transporte ou usar o cinto de segurança”, explica.

Souza lembra ainda que o hábito de dar para ficarem calmos durante a viagem é prejudicial para os bichos. “O ideal é o animal estar habituado a andar de carro e, em viagens mais longas, é preciso parar a cada hora para o animalzinho caminhar, fazer as necessidades fisiológicas e tomar água”, orienta. “Um animal dopado não faz isso e passa uma viagem ruim”, diz. O veterinário lembra ainda que os donos precisam acostumar os animais às práticas de segurança no carro. “Tem gente que anda com o cachorro no colo nos passeios no Centro da cidade e quer que o animal fique contente preso na caixa ou no banco de trás para viajar”, comenta. “Ele vai querer o colo do dono”.

Carregar o animal no porta-malas, conforme Hermes de Souza, nunca deve ser feito, pois coloca em risco a saúde do bichinho. E, separar a parte traseira do carro com tela de segurança também não é aconselhável, pois o animal fica solto, balança e pode se machucar nas freadas e, eventualmente, em um . “O ideal é sempre manter o animal meio contido”, explica.

Penalidades
• Condução de animais nas partes externas do veículo: de
R$ 127,69 e cinco pontos na carteira.
• Dirigir com animais à sua esquerda ou entre os braços e pernas: multa de R$ 85,13 e quatro pontos na carteira.
• Distrair-se, segurar ou brincar com o animal com o carro em movimento: multa de
R$ 50,20 e três pontos.

Para levar o amiguinho em segurança foi modificado pela última vez: fevereiro 18th, 2014 por Alexandre Domingues
Anterior

Cães farejadores se tornam populares em trabalhos científicos

Próxima

Cão de 24 anos pode bater recorde como o mais velho do mundo