0
Shares
Pinterest Google+

O bem-estar animal venceu a liberdade de culto. O holandês votou maioritariamente a favor da proibição do dos animais para consumo humano.

Esta decisão precisa agora de ser aprovada pela câmara alta do Parlamento para que se transforme em lei.

Aprovada por 116 votos a favor e 30 contra, o projeto-lei foi precedido de longas discussões entre os movimentos confessionais da sociedade holandesa, que conseguiram fazer introduzir uma emenda destinada a preservar a liberdade religiosa: os muçulmanos e judeus podem recuperar este costume apenas se provarem cientificamente que o animal sofre menos com a morte ritual do que com a morte num matadouro tradicional. Não ficou claro como é que se poderá fazer essa prova científica.

A diferença entre os dois métodos é que nos matadouros tradicionais o gado é aturdido antes de ser morto, ao passo que segundo os rituais muçulmano e judeu, os animais são degolados e dessangrados sem qualquer anestesia por um matador que faz o sacrifício em nome do seu .

O produto final deste sacrifício é a carne halal para os muçulmanos e a carne kosher para os judeus.

“Esta forma de matar causa dor desnecessária aos animais. A liberdade religiosa não pode ser ilimitada”, tinha dito aos jornalistas antes da votação Marianne Thieme, líder do Partido pelos Animais, o único na que conta com representação parlamentar (dois ) e o responsável por esta proposta. “Para nós, a liberdade religiosa termina onde começa o dos seres humanos ou dos animais”.

A comunidade muçulmana soma cerca de um milhão de pessoas na (um país com 16 milhões de habitantes), ao passo que a comunidade judia conta com apenas 40 mil fiéis.

Atualmente, a União Europeia obriga os animais a serem aturdidos antes de serem mortos, mas permite excepções para os sacrifícios rituais, que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos já considerou um direito religioso. Ativistas dos direitos dos animais argumentam, porém, que é uma prática desumana.

Atualmente, em países como a e o , onde a comunidade muçulmana tem um forte presença, boa parte dos sacrifícios halal já são feitos em animais previamente aturdidos. Paralelamente, em , , e o sacrifício ritual dos animais está proibido.

Autor: Susana Almeida Ribeiro
Fonte: PÚBLICO
Anterior

Garantia de bons negócios: novos formatos do segmento pet

Próxima

Com acesso à Copa, cachorro alemão tem até credencial para estádio

  • Sou a favor de ter liberdade de religião e isso inclui rituais!
    Mas só porque tal bicho é sei lá, sagrado ou… esquece! Enfim, acho que não devia m matá-lo!