0
Shares
Pinterest Google+

Assim como acontece com os humanos, o nos animais de estimação vem acompanhado de fatores que influenciam o modo de vida do pet como de visão, audição, artrite e outras que são características nessa fase da vida. Por isso os devem ser maiores para que o animal não sofra com algumas degenerações pela e mantenha uma vida saudável. De acordo com Raquel Sillas, médica veterinária do Hospital Veterinário do Batel, os cães, por exemplo, começam a a partir dos 7 ou 8 anos de , mas vai depender muito da raça do animal.

Segundo a veterinária os piores males em animais são as doenças degenerativas como o , insuficiência renal, hepática, diabetes, além dos problemas relacionados às como a artrose. “O histórico de vida do animal vai contribuir ou não para o desenvolvimento de determinadas doenças, se ele tiver tido uma vida saudável, ativa e com uma alimentação balanceada, as chances de ter um problema desses será menor. Mas não podemos descartar por completo, pois, às vezes, o problema pode estar relacionado a uma questão genética”, esclarece.

A médica explica que nessa faixa etária ocorrem alterações físicas e comportamentais nos animais que também influenciam na qualidade de vida. “É comum verificar que, com o envelhecimento, a pelagem do animal vai ficando mais esbranquiçada. Eles também se tornam menos ativos, dormindo mais tempo do que na fase jovem. Por isso o ideal é manter uma dieta com rações específicas para esse momento da vida ajudando no controle do peso e diminuindo excessos que possam forçar o trabalho do organismo”, recomenda.

Outra questão que precisa de atenção do dono são os do pet, pois com a idade é comum o acúmulo de e o desenvolvimento de gengivite, que pode ser uma porta de entrada para bactérias na corrente sanguínea. “Alguns animais podem perder alguns dentes, o que também dificulta a ingestão de alimentos. Nesses casos, o indicado é oferecer rações mais moles para facilitar a alimentação e ter o hábito de escovar os dentes deles”, sugere Raquel.

Problemas com a visão também são bastante comuns na fase idosa como o desenvolvimento de catarata. “Como o animal perde a visão gradativamente, dificilmente o proprietário percebe a alteração e quando verifica o pet já perdeu grande parte da visão. Além disso, esse tipo de doença pode estar associado ao diabetes, o que necessitará de um tratamento específico”, explica.

Para a médica, independentemente de o animal apresentar algum problema de saúde, é imprescindível manter consultas periódicas ao veterinário para avaliar as condições do pet. “Assim, se ele apresentar algum tipo de doença, é possível diagnosticar no início e começar o tratamento o quanto antes”, finaliza.

Fonte: Bem Paraná
Pets idosos precisam de cuidados especiais foi modificado pela última vez: setembro 2nd, 2013 por Alexandre Domingues
Anterior

De cobaias a pets: como micropigs se tornam animais de estimação?

Próxima

Chegada de um animal de estimação em casa melhora comportamento de crianças autistas