0
Shares
Pinterest Google+

O projeto de lei que trata sobre a criação de cães e gatos chegou à de de e promete esquentar o a partir da semana que vem. Se depender das ONGs de proteção aos animais, o projeto do vereador James Schroeder (PDT) tem de ser aprovado e entrar logo em prática.

Já a Vigilância Sanitária Municipal e o ambientalista Gert Fischer avaliam a proposta com cautela e pedem mais discussão.

Por três meses, as entidades ajudaram o vereador a elaborar a proposta que regulariza o bem-estar, criação, comercialização, e populacional de animais de e aplica multas para quem descumprir as .

Caso vire lei, cada animal precisará portar uma trazendo informações como raça, idade, nome, cor do pelo, quem é seu dono e onde mora. A da Frente de pelos dos Animais (Frada), Ana Rita Hermes, acredita que alguns pontos precisarão ser discutidos com vereadores e , mas a proposta é um grande passo.

Para Bruna Toneli, voluntária da Guapecas, a lei vem em boa hora. “Visa ao bem-estar dos animais”, ressalta. Opinião semelhante tem Luciana Faganello, voluntária da ONG Animal. “É um projeto excelente que trata da qualidade de vida dos nossos companheiros fiéis. Quando virar obrigatório, vai forçar a uma que não existe.”

Mas Gert Fischer acredita que a lei afetará o contribuinte. “Vai ser uma de multas. Precisa algo regendo a vida dos animais, mas não uma obrigação de animal. Isso deveria ser feito pela Prefeitura”, reclama. Mara Monteiro, coordenadora da Vigilância, espera que seja convocada para discutir o projeto na Câmara. Ela tem dúvidas sobre o papel do órgão. “Se eu quiser comprar um animal que procrie, serei impedida? Se alguém deixar animal exposto numa mais de seis horas, como vamos saber? Não sei como iremos fiscalizar isso? Acho inviável e absurdo”, questiona.

Fonte: A Notícia
Anterior

Veja Ana Hickmann brincando com seus cães

Próxima

Quase 50% dos lares brasileiros têm cães ou gatos, diz levantamento