0
Shares
Pinterest Google+

Se as pessoas adoram as de e aguardam ansiosas a noite de , a sensação não se repete com os animais. Nessas datas, é comum ouvir o de fogos e , o que causa muito nos bichinhos. Diferente do que se pensa (que o dói nos ouvidos animais), o que incomoda na verdade é a sensação de que eles sentem quando ouvem sons muito altos.

Para aumentar a dos bichos de estimação, a veterinária Paula de Alvarenga tem dicas. Segundo ela, o ideal é distrair o cachorro com petiscos ou seus brinquedos favoritos. “Deixá-lo em um local tranquilo em que ele possa se esconder também é uma boa opção para que ele se sinta seguro”, orienta a médica.

Se o cão demonstrar medo, o dono deve sempre manter uma postura que transmita ao animal a sensação de segurança. Por mais que se tenha pena, segundo a especialista, não se deve abaixar para confortar o cãozinho, pois ele entenderá que o dono também está com medo e ficará pior.

Outra importante é tomar cuidado com as fugas. O animal assustado pode tentar escapar e acabar se machucando. Para evitar isso, é preciso atenção com o local onde ele vai ficar escondido e com tudo o que está em volta para que ele não se machuque. “Também é importante deixar o animal com uma coleira de identificação e o telefone do dono. Caso ele fuja, alguém pode encontrar e devolver”, finaliza a veterinária.

Exemplos
A sensação de perigo faz com que cachorros da cidade se machuquem na tentativa de se salvar. Foi o que aconteceu com Napoleão, cachorro da fisioterapeuta Giovana de Cássia Mori, de 23 anos. O mestiço de Fila e Boxer tem muito medo de rojões e estava sozinho na final do Campeonato Brasileiro, quando o Corinthians foi campeão.

Ao ouvir o barulho, assustou e quis entrar na casa, mordeu e arranhou tanto a porta de madeira que machucou as patas e a boca. Ele não teve graves. “Hoje em dia, temos de prendê-lo em casa quando sabemos que vão soltar rojão, senão ele morre de medo e fica todo agitado”, explica Giovana.

O caso da aposentada Maria do Carmo Vasques de Miranda Delbon, de 49 anos, foi mais grave. Sua cachorrinha Dolly morreu após tentar ultrapassar um portão assustada com o barulho dos fogos do Réveillon no ano passado. “Ela era uma pequinês de quatro anos e tinha muito medo quando soltavam fogos. Quando viajamos, ela tentou passar por baixo do portão e ficou presa pelo quadril”, recorda.

Hoje em dia, Maria do Carmo tem mais três cachorros da mesma raça – uma delas é filha da Dolly – e todos têm medo de barulho. Para evitar que o acidente se repita, a família prefere manter os animais dentro de casa. “A gente fica perto deles e, assim, eles não ficam com muito medo, porque se sentem protegidos. Aí não tem problema e eles não se machucam”, completa Maria.

Fonte: Primeira Edição
Anterior

Porto Seguro dá dicas para quem vai viajar de carro com seu pet

Próxima

Abandono de animais cresce durante o período das férias

  • Os coitadinhos ficam todo pertubados durante a noite de Reveillon! Acalmar estando junto é facil, mas o problema é que na maioria das vezes, o bichinho fica sozinho dentro de casa enquanto o dono está na festa ou mesmo estando em casa nesta noite, fica na frente da casa na rua para ver os fogos.