0
Shares
Pinterest Google+

O caso do filhote Dudu, que foi de um na última semana em , fez os donos de animais de estimação ficarem de orelha em pé, preocupados com a de seu bichos.

Porém, segundo os registros policiais da cidade, crimes dessa natureza ainda são algo raro por aqui.

O delegado Dinair José da Silva, titular do 1º Distrito Policial, conta que os registros não passam de dez por ano. Mas ele faz um . “Muitas vezes as pessoas ficam na dúvida sobre o que realmente pode ter acontecido quando um animal some e, por isso, não procuram as autoridades”, diz.

A é sempre a possibilidade mais levantada e, de frente com a incerteza, os proprietários não chegam a registrar o boletim de ocorrência sobre o sumiço. “Sendo assim, a polícia não tem como investigar para saber o que de fato ocorreu. Pelo sim, pelo não, o bom é sempre registrar o boletim”, avisa Dinair.

Com os registros em mãos, a polícia tem como levantar estatísticas e acionar seus órgãos de inteligência para apurar os fatos e interceptar possíveis criminosos.

“Às vezes, o animal em questão é um vira-lata, sem valor. Mas pode ser que ele seja um cão de guarda e foi furtado para diminuir a segurança da casa”, alerta.

Furtos de animais de estimação não são considerados crimes ambientais – como a questão de maus-tratos, por exemplo – e, sendo assim, a reclamação pode ser registrada em qualquer delegacia.

Gato por lebre /Animais furtados ou até roubados são usados para revenda. Quem compra esses bichos acaba indiretamente contribuindo com o crime e pode até ser enquadrado por receptação. “Se for comprovado que a pessoa pagou um valor muito abaixo do mercado e que comprou de pessoa ou local suspeito, ela pode, sim, vir a ser indiciada também”, alerta Dinair.

O caso/ O dálmata Dudu foi furtado de uma clínica veterinária no sábado passado, após ter passado por uma cirurgia nos dois olhos. Ele foi abandonado pelos ladrões em um bairro da periferia da cidade, provavelmente devido à repercussão do caso.

Depois do resgate, ele passou dois dias na clínica veterinária, muito debilitado, por ter ficado sem os cuidados necessários do pós-operatório, e com dor de ouvido por ter ficado exposto à chuva. Agora, em casa, ele passa bem com a família e está se recuperando do trauma.

Fuga ou furto?

Verifique se a casa está segura
Cheque, em toda a residência, se alguma porta foi forçada ou se na área em que o animal costuma ficar, fechaduras e cadeados foram danificados.

Procure por pistas e rastros
Verifique, por exemplo, se há marcas nas paredes da sua casa de pés ou escadas, que indicariam a possível passagem de alguém pelo local.

Converse com os vizinhos
Pergunte para as pessoas da sua rua se alguém chegou a notar a presença de indivíduos desconhecidos próximos à sua casa nas horas que antecederam o sumiço do seu bichinho de estimação.

Pelo sim, pelo não…
Mesmo na dúvida, vale a pena comunicar a polícia sobre o fato. O boletim de ocorrência pode ser feito em qualquer delegacia da cidade.

Autor: Camila Turtelli
Fonte: Bom Dia
Anterior

Argentina denuncia gavião à polícia por ter matado seu papagaio

Próxima

Lei criada por Geraldo prevê fim do sacrifício dos animais em todo o país