0
Shares
Pinterest Google+

A Associação Protetora dos Animais de Rio das Pedras (Assopar), em parceria com dois veterinários de , Mariana Franco e Luis Angelo Franco, iniciou na última semana o médico dos cães que estão abandonados nas ruas da cidade.

Os dois veterinários visitarão a cidade a cada dois dias na semana e estarão instalados em um consultório veterinário localizado na Rua Professor Doutor Tufi Coury, na loja “Pet – As meninas”. “A iniciativa de trazer os veterinários surgiu devido ao trabalho de estar sempre levando os cachorros para Piracicaba”, comentou o presidente da Assopar, Anésio Neves, conhecido como Sombra.

Os veterinários realizarão os cuidados médicos a um baixo custo, com o intuito de ajudar a cidade a solucionar os problemas de saúde dos animais. Porém, Sombra ressalta que o problema dos cães de rua exige soluções maiores e a intervenção do poder público. “Não adianta tratarmos os cães e devolvermos eles na rua, o problema continua. A Assopar tem como bandeira de luta a construção de um abrigo para cães, bem como a desses animais, para evitar a superpopulação”, disse.

Sombra contou que, devido ao fato de a cidade não ter um abrigo nenhum Centro de Zoonoses, muitos membros da Assopar acabam recolhendo esses animais. “Temos pessoas que têm mais de 30 cachorros na casa. Não podemos continuar nessa situação”, comentou.

Os membros disseram que, desde 1997, existe um abaixo-assinado com mais de duas mil assinaturas na prefeitura pedindo a construção de um abrigo para cães, porém, até hoje, a situação continua a mesma. A Assopar também tem como objetivo que a Câmara Municipal sancione uma de maus tratos aos animais, uma vez que, na cidade, esses casos vêm acontecendo com frequência. “Esperamos poder contar com o apoio do Legislativo para sancionar essa ”.

Sombra contou que, nessa semana em que se iniciaram as atividades de tratamento dos animais, foram atendidos 20 cães de ruas, que estão na casa de alguns voluntários esperando para adoção. “Não temos condições de ficar com um grande número de cachorros em nossas casas”.

Para a veterinária Mariana, a cidade tem apresentado sérios problemas em relação aos cães abandonados. “Temos encontrado diversos cães que apresentam Tumor Venéreo Transmissível (TVT), que é um vírus transmitido através do coito entre o macho e a fêmea. Esse tumor somente pode ser curado com quimioterapia”, informa a veterinária.

Mariana ressalta que a castração evitaria a disseminação do vírus, bem como a superpopulação desses animais. “A castração também tem um custo muito menor que a quimioterapia, sendo um melhor caminho para o poder público”, acrescentou.

Outro fato é que a cidade somente tem campanha de vacinação contra a raiva, sendo que muitos cães têm apresentado a doença cinomose, em que o sistema nervoso do cão é afetado. “É necessário uma campanha de vacinação com V10”, comentou.

A Assopar também informou que fará uma triagem pelos bairros da cidade, cadastrando famílias com baixa renda que não tenham condições de cuidar da saúde do cão. “Essas pessoas serão encaminhadas para os nossos parceiros veterinários com um custo abaixo do mercado”, comentou o presidente da Assopar.

Membros da associação informaram que a cidade atualmente conta com mais de mil cães abandonados e que essa situação precisa ser revertida. “Precisamos urgentemente de um abrigo de cães, castração e a aplicação de vacinas”.

Anterior

Grupos em defesa de animais denunciam canil por tratamento inadequado

Próxima

Após reportagem, casal de filhotes furtado é devolvido à família