3
Shares
Pinterest Google+

Além do estresse, outras questões podem levar o pet a se mordiscar ou a pata compulsivamente.

Não é raro observarmos um cachorro lambendo a pata ou mesmo mordiscando. Isso costuma ser mais comum em felinos, ato chamado de ” de gato “. Normalmente quando os animais fazem isso, além de deixarem os pelos molhados, formam na região atingida, com tendência à vermelhidão.

A lambedura de forma compulsiva é prejudicial à pele do cão e pode levar a quadros mais graves

Muitos tutores se incomodam com isso e não sabem o que fazer para amenizar situação. Isso porque, assim como sinaliza um problema psicológico ou algum incômodo na pele, um cachorro lambendo a pata pode resultar em ferimentos graves e complicações físicas. Por isso, é importante saber quais medidas podem ajudar o pet a parar com esse hábito. O ideal é descobrir e tentar sanar a causa do problema antes de se tornar pior.

Como perceber o excesso de lambedura
– Pata molhada além do normal
– Alguma parte da pata ferida, com falhas localizadas no pelo ou mudança na cor
– Alterações no cheiro da pele ou da pata

O que leva o pet a se lamber, morder ou coçar a pata?
Ansiedade, tédio e estresse.
Um dos motivos mais comuns é o estresse ou a ansiedade sentida pelo animal. Assim como muitos humanos tem de unha, por exemplo, os pets expressam a agonia que sentem por meio de mordidas ou lambidas constantes.

Esse é chamado de obssessivo compulsivo e o tratamento é fácil e tranquilo, só demanda dedicação do tutor. Geralmente o veterinário indica mais , brincadeiras e exercícios para o cão , de forma ficar mais feliz e saudável. Afinal o pet precisa de atividade física, independente da raça ou do perfil dele.

Se ele passa muitas horas sozinho é possível ter desenvolvido a ansiedade de separação e sofrer bastante – em especial se a personalidade dele envolve carência e dependência afetiva da família.

Ao deixá-lo sem companhia, o ideal é manter brinquedos e distratores sempre por perto, para brincar e divertir-se um pouco enquanto o dono não volta. Outra opção pode ser uma creche ou canil, onde possa interagir com outros cães e receber estímulos diferentes. Dá até para fazer brinquedos em casa , reciclando objetos simples e sem gastar muito!

Problemas hormonais
Pouca gente sabe, mas dos hormônios, especialmente da tireoide podem acarretar de pele. O hipotireoidismo, por exemplo, e até o excesso de cortisol são ainda possíveis da na pata do animal. E nesse caso é claro que a reação dele será lamber ou coçá-la sem parar.

A boa notícia é que problemas na tireoide têm tratamento e pode ser rapidamente, o que reduz o incômodo do pet e cura as feridas causadas por ele.

Problemas de pele
É comum o cão desenvolver certas alergias, seja a alimentos ou a produtos , por exemplo. Quando isso acontece, o corpo se manifesta formando manchas vermelhas e feridas graves.

É preciso investigar o causador da reação alérgica e tratá-lo assim que possível. Dependendo do tipo da alergia, o veterinário pode pedir uma alimentar e exames de sangue e de urina para saber se o motivo é outro. Nesse meio tempo tente distrair o animal, para não lamber e piorar a situação, podendo evoluir para doenças de pele sérias.

A pele seca decorre de vários fatores. Um deles é o frio e a falta de no em que o cão vive. A falta de uma capa de gordura, ou seja, um baixo nível de ácidos graxos no do pet, tende a representar uma cobertura menos brilhante e saudável da pele. Ao sentir necessidade de molhar a pata, a reação natural do cão é lamber.

O cachorro passa a língua em objetos e ambientes repletos de bactérias, correndo o risco de desenvolver certas doenças

Isso pode ser resolvido com banhos especiais, usando xampus específicos, além de condicionadores para dar brilho extra e um aspecto mais hidratado. O ideal é deixar esse último agir entre 15 e 20 minutos durante o banho.

A alimentação tem um papel fundamental também no aumento de ácidos graxos e para se obter uma melhor e mais bonita. O veterinário pode indicar os melhores alimentos para isso, bem como avaliar a principal causa da pele ressecada. Deixar sempre água fresca para o animal é outra questão importante – a hidratação dele vai depender muito do consumo diário, que varia de acordo com o tamanho do cão.

O sol é ao mesmo tempo o melhor amigo da saúde do pet e o maior vilão. Isso porque, apesar de ser fundamental para o aumento da vitamina D e ter inúmeras vantagens, em excesso ele pode provocar queimaduras sérias e deixar a pele ainda mais irritada.

Portanto, sempre controle o tempo que o cachorro fica no sol. Meia hora por dia, durante a manhã e nunca nos períodos mais quentes, já ajuda.


Ao em contato com certos parasitas, como pulgas e carrapatos, é normal o animal começar a se coçar constantemente. Esse caso já é mais grave e se não for tratado com pode levar a quadros piores, como o desenvolvimento de determinadas enfermidades.

É sempre bom ter em mente que a saliva do animal é repleta de bactérias e corpos estranhos, uma vez que ele tem contato com diversos objetos e ambientes ao longo do dia. Por isso, ao colocar a língua sobre a superfície já ferida, aumentam as chances de passar infecções ou doenças parasitárias para dentro do corpo. O ideal nesse caso é tentar cobrir a parte machucada para evitar o contato com o ambiente externo.

Dor
Ao sentir dor muitos pets reagem coçando ou mordiscando a pata ou a perna. Identificar o motivo do incômodo pode ser mais difícil, então o melhor é levá-lo ao veterinário para ser examinado.

Mas, em resumo, o cachorro lambendo a pata de fato precisa de mais atenção, em vários sentidos. Quanto mais cedo o tutor perceber esse hábito, mais eficaz e rápido o problema será resolvido.

Anterior

Conheça os mitos e verdades sobre castração de gatos e cachorros

Próxima

Atenção: alimentos proibidos para cachorros