0
Shares
Pinterest Google+

A Síndrome de da afeta muitos cães, entenda o que ela significa

A correria de nossa rotina faz com que tenhamos pouco tempo livre e infelizmente o fiel companheiro é um dos primeiros a sentir isso. É fundamental antes de escolher um pet levar em consideração o tempo que gastará para garantir a dele.

Algumas raças são mais independentes do que outras, elas tendem a se adaptarem melhor a horas de solidão, o que pode ser uma boa escolha para aqueles que não param em casa. Isso não significa que não sintam a ausência do dono, nem mesmo elas estão imunes à Síndrome de Ansiedade da Separação (SAS). “Essa Síndrome é caracterizada pelo conjunto de sinais clínicos exibidos pelos cães quando deixados sozinhos ou afastados da pessoa que eles têm como referência. Dentre esses sinais, podem ser citados: uivos, choro ou latidos em excesso, destrutivo (como roer, rasgar objetos e roupas, por vezes da pessoa de referência), micção e defecação em locais inapropriados”, explica a Professora Angélica Silva, do Curso de Medicina Veterinária da UNG Universidade.

Os motivos que despertam a SAS no animal são diversos, pode ser por causa da morte de outro animal da casa, mudança de residência, ao estar só ou até mesmo por apego excessivo ao dono. Filhotes, em geral, costumam ser excessivamente dependentes e afetuosos por serem gregários – animais que vivem em bandos -, a família torna-se seu grupo, desta forma as alterações como a ausência do dono podem desencadear na SAS.

Cães que vivem exclusivamente dentro de casa, sem passeios ao ar livre ou outras atividades lúdicas podem ser mais propensos ao problema, segundo Silva. A professora explica que animais que têm comportamentos disfuncionais, como seguir o dono pela casa o tempo todo ou levar mais de dois minutos ao saudá-lo quando chega em casa, tem três a cinco vezes mais chances de desenvolver a patologia. Por isso, preste para identificar os sinais que o seu animalzinho transmite.

O problema deve ser tratado de acordo com o motivo. Em casos de medo deve-se focar na superação do trauma com o manejo do , retire possíveis fatores que provoquem essa fobia e mostre que a não é temerosa. Se for por perda de outro animal o recomendado é que consiga outra para o bichano.

Para aqueles que sofrem de hiperapego o tutor deve reduzir a afetiva, reforçando os comportamentos de calma e , mostrando os limites por meio de afagos. Angélica sugere condicioná-lo a ficar em um local confortável com brinquedos ou uma peça de roupa do dono em alguns períodos do dia, quando o tutor estiver presente. Após algumas repetições desse processo, deve-se colocá-lo neste mesmo local um pouco antes de sair. E quando voltar, se ele estiver tranquilo, soltá-lo e brincar com o bichano. A conscientização do proprietário é fundamental de que atenção em excesso pode ser prejudicial.

Apesar das dicas a professora reforça a necessidade da visita ao médico veterinário, caso seu cão sofra alguma mudança de comportamento, pois somente o profissional conseguirá diagnosticar com propriedade o caso e instruí-lo conforme as necessidades específicas de seu animalzinho.

Pensando nos cuidados com seu pet, a Clínica Escola de Medicina Veterinária da UNG Universidade realiza agendamento de consultas nas áreas clínicas e cirúrgicas para animais domésticos, de grande e pequeno porte, além de silvestres. O atendimento no hospital é aberto a toda sociedade, as consultas e cirurgias têm um custo mais baixo do que em clínicas particulares, tonando o serviço mais acessível. Pessoas interessados devem entrar em contato através do telefone: (11) 2423-7601.

Anterior

Confira dicas de como livrar seu pet das "armadilhas" das festas de fim ano

Próxima

Dicas para cuidar dos pets durante o Carnaval