0
Shares
Pinterest Google+

Com uma rara condição genética, Owen Howkins, 7 anos, é um menino cujo medo de espaços abertos lhe deixara com receio de sair de casa. Ele sofre da de Schwartz-Jampel, que faz com que seus músculos fiquem permanentemente tensos, o que o deixava com de falar com as pessoas. Graças à com o cachorro Haatchi, contudo, o britânico de Basingstoke, Hampshire, superou sua e hoje se aventura no mundo exterior. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail.

Foto: The Grosby Group

Haatchi, um pastor-da-anatólia, foi adotado pelo pai do menino, Will Howkins e, como Owen, teve que enfrentar algumas dificuldades. Ele sofreu ferimentos graves ao ser amarrado a um trilho e atropelado por um trem, há cerca de 10 meses. O cão foi encontrado alguns dias depois e teve que ter a perna e o rabo amputados em razão das lesões. A família soube da situação do animal pelo Facebook e resolveu adotá-lo.

“Assim que eles se conheceram, o efeito de Haatchi sobre Owen foi incrível. Antes do cão chegar, ele era praticamente agorafóbico”, conta a noiva de Will, Colleen Drummond, que é parte da família desde que Owen tinha 3 anos. “Quando ele entrou na escola, tornou-se mais consciente de ser diferente das outras crianças e se tornou ainda mais retraído”, completa.

A condição de Owen requer tratamento regular no hospital, mas a presença do cão fez com que ele tivesse mais facilidade em lidar com isso. Agora, ele se sente diferente em relação a sua síndrome, especialmente após ver o cachorro tomar seus “remédios” – uma mistura de mel de manuka, óleo de salmão e suplementos. “Owen costumava ter medo de estranhos, mas agora quer falar com todos a respeito de Haatchi e sair o tempo todo para mostras caninas. A diferença que notamos nele não pode ser posta em palavras”, diz Colleen.

“Owen é incrivelmente ligado a Haatchi, eles são muito apegados um ao outro”, conta Will. O cachorro, hoje com 15 meses, completou recentemente a sua formação como “bicho de estimação de terapia”. Em breve, ele visitará soldados com membros amputados feridos no Iraque e no Afeganistão, além de crianças doentes e em fase terminal. O cão chegou a ganhar um prêmio do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal, por sua história e aos doentes, e comparecerá ao evento Animal Action Awards na próxima semana.

Fonte: Terra
Anterior

Polícia investiga uso de gato morto em aula de química em Porto Alegre

Próxima

Manicures para cães, será que essa moda pega?

  • suely bischoff machado de oliv

    Olá.Bom dia. Uma história emocionante……………..Um bípede com limitações e 1  peludo especial…………….Aliás os animais amam incondicionalmente e não discriminam como nós tidos como racionais,não é?Que eles possam se ajudar mutuamente e por muito tempo.Parabéns ao adotante Will  deste lindo peludo.