0
Shares
Pinterest Google+

Quem leva um cachorro para casa, na maioria das vezes, enfrenta alguns problemas de com os pequenos pets.

No entanto, há uma série de práticas e rápidas que podem ser postas em uso para que o seu cão entenda alguns comandos e se torne mais comportado.

Para que o seu cão entenda as suas e assimile o que lhe é pedido, o ideal é que comece a ser treinado desde . Dessa forma, o animal já se desenvolve aprendendo, e o processo fica muito mais simples do que nos casos em que o cão já tem maus hábitos adquiridos ao longo da vida.

Outro fator importante nesse momento é lembrar que a jamais deve ser usada como forma de ensino, já que isso, além de fazer mal para o animal, também pode torná-lo agressivo. O correto é que técnicas de sejam as escolhidas, incentivando o aprendizado do cachorro por meio de reforços positivos e muito carinho.

cachorro-labrador-filhote-menina-obediencia-treino-adestramento-recompensa-petrede

Ter paciência também é fundamental para adestrar seu cão, já que a repetição é a palavra-chave do ensino. Algumas palavras como “não” e “muito bem” devem ser as primeiras a serem ensinadas ao animal, mostrando à ele quando o que realizou foi certo ou errado. Para ensiná-lo a sentar ou deitar, por exemplo, o ideal é que se dê o ao cão e segure um petisco próximo à ele.

O cachorro vai tentar pegar a comidinha por bastante tempo, mas você deve resistir e levantar a mão com o petisco enquanto repete o comando, até que ele obedeça – e, aí sim, dar o quitute para ele.

Essa técnica básica pode ser usada para quase todos os tipos de comando, sendo que o importante é lembrar de recompensar o cão quando ele obedecer o que foi pedido (com petiscos ou carinhos) e praticar a repetição, para que o que foi ensinado fique gravado na sua mente.

Repreender o cão quando ele faz algo errado também é importante, e isso pode ser feito sem violência: basta segurar com força a pele da parte de trás da cabeça do animal e dizer, com firmeza, a palavra “não”. Isso não machuca o cachorro e mostra para ele que aquela atitude não é correta, ajudando ainda mais no processo de adestramento.

Matéria validada pelo Dr. Ricardo Tubaldini (CRMV – SP 23.348), Médico Veterinário formado pela Universidade Paulista e Cirurgião Geral e Ortopedista em Hospital Veterinário de São Paulo. Dr. Tubaldini é Diretor de Conteúdo do portal CachorroGato.

Anterior

Operadora cria serviço para monitorar cães pelo celular

Próxima

Falsa carrocinha tenta capturar animais em Manaus