2
Shares
Pinterest Google+

Correr com seu cachorro pode fazer muito bem pra saúde e tem sido cada vez mais comum ver treinando junto com seus fieis companheiros de quatro . Assim como a física faz bem ao atleta, ela também promove uma série de benefícios ao animal, além de ser um momento prazeroso para os dois.

Quem ama seu bichinho de estimação com a mesma intensidade que sua planilha de treinos, frequentemente tem vontade de unir as duas paixões. Mas, antes de sair por aí correndo com seu cão, há uma série de cuidados indispensáveis a serem tomados – tanto para a saúde, quanto para o bem-estar do seu cãozinho.

Correr com seu cachorro o fará muito mais feliz!

A advogada e corredora, Aline Meimei, tem três cachorros mas só um deles gosta de correr, seja em treinos ou provas. Richard, um de seus animais, sem raça definida, já participou até de corridas pet com Aline. “Ele realmente ficava muito feliz, descobri um corredor. Participamos esse ano da Petrun no shopping Santana , corremos 2 km e foi incrível! Ele brincou e até saímos nas fotos. Esse meu parceiro de corridas é um vira-lata lindão de 9 anos!”. Ou seja, correr com seu cachorro pode fazer muito bem pra saúde ou não?

O Webrun conversou com o veterinário Leandro Almeida e ele respondeu algumas perguntas e deu dicas de como levar seu pet para a corrida. Vale lembrar que não é todo cão que pode fazer isto. Entenda:

1. Qualquer tipo de cão pode participar de treinos com seu dono ou apenas se ele for um cão de corrida?

Algumas raças de cães, como o Whippet e Greyhound, possuem melhor desempenho para atividades de corrida. A maior parte das raças, porém, pode participar de treinos com seu dono, sem nenhum problema. Deve-se tomar cuidado com raças braquicefálicas, como o Pug, Boxer e Buldogues, pois devido a anatomia de seu focinho e sistema respiratório, possuem maior a ter problemas, ao serem expostos a grandes esforços.

2. Para correr todos precisam de focinheira ou apenas cães de grande porte?

As de cada estado do país variam em relação a obrigatoriedade de uso de focinheira para determinadas raças. No Estado de São Paulo, por exemplo, seu uso é obrigatório para o Mastim Napolitano, o PitBull, o Rottweiller, e o American Staffordshire Terrier. Outros estados possuem diferentes restrições, porém recomenda-se o uso de focinheira para animais acima de 25 kg e qualquer outro cão com histórico de agressividade. O bom senso é o melhor critério para as raças não regulamentadas.

3. O que você tem a dizer para pessoas que correm com seus cachorros? Seja para ou em corridas de rua.

Gostaria de parabenizar todos os proprietários que realizam atividades físicas regulares com seus animais de estimação, sejam elas leves ou mais intensas. Recomendo que sempre leve seu animal para uma avaliação com um médico veterinário de confiança, para que possa continuar exercendo suas atividades com segurança.

4. Existe uma média de tempo e velocidade ideal para os cães?

O tempo varia muito de acordo com a modalidade de corrida adotada, dependendo se são corridas de curta ou longa distância. As raças de corrida, como o Whippet, podem chegar até a 60 km/h. Deve-se respeitar, porém, o limite de cada animal e fazer um de exercícios, que não sobrecarregue seu sistema cardiovascular e articulações. Algumas raças tem maior para corridas de distâncias longas, enquanto outras são mais propensas para desempenhos melhores em tiros curtos de alta velocidade.

5. Se exagerar na corrida, o que pode acontecer com o cachorro?

Cães que não estejam preparados para corridas intensas podem sofrer lesões ortopédicas (como de articulações, ligamentos e tendões). Ainda, animais de algumas raças com focinho mais curto, cães com doenças crônicas e especialmente cardiopatas, podem sofrer falta de ar e desmaios após exercícios intensos. Consulte sempre o médico veterinário.

6. Quais as precauções que devem ser tomadas antes, durante e depois da corrida?

Antes de submeter seu animalzinho a treinos, este deve estar vacinado, vermifugado e livre de pulgas e carrapatos, para maior segurança do próprio animal e de outros com os quais terá contato durante suas atividades. Para exercícios leves, recomenda-se check-up anual de seu animal de estimação. Para animais de alta performances, este deve ser realizado a cada 6 meses.

O check-up inclui avaliação clínica do médico veterinário e como hemograma, eletrocardiograma e de função renal e hepática. No momento do , deve-se verificar a do terreno aonde o animal irá se exercitar – o mesmo que for confortável para nossa pele, também é para eles.

Em horários muito quentes, podem ocorrer graves nas patas dos cães. Durante o treino, faça algumas pausas e ofereça água para manter seu cão hidratado. Por fim, recolha todas as necessidades de seu animal, caso aconteçam durante o passeio.

7. Para correr com ele posso começar com curtas distâncias e aumentar aos poucos?

O sempre deve ser iniciado com curtas distâncias, respeitando o limite de seu animal de estimação e aumentando aos poucos duração e intensidade das atividades. Tanto a esquelética quanto as responsáveis pelo sistema cardiovascular tem grande capacidade de hipertrofia e aumento de sua capacidade metabólica, porém esta deve ser trabalhada gradualmente para evitar lesões desnecessárias.

Conclusão, agora que você sabe que correr com seu cachorro pode fazer muito bem pra saúde, que tal colocar seu tênis, pegar seu pet e #partiucorrida?

 

Anterior

Calopsita, preço

Próxima

Shopping Pátio Guarulhos terá campanha de vacinação contra raiva e evento para adoção de cães e gatos