1
Shares
Pinterest Google+

Os proprietários de cães de 17 consideradas perigosas poderão ser responsabilizados civil e penalmente por danos causados pelos animais. que deve ser votado hoje pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do proíbe, caso seja aprovado, até a de cães da raça em todo o País, com obrigatória dos machos. O projeto, em caráter terminativo, tramita há dois anos e veda a circulação dos animais “perigosos” em locais públicos – só com uso de coleira e focinheira.

Em caso de ataque, as penas para os proprietários podem variar de três meses de – por lesão corporal simples – a 20 anos de prisão, caso seja comprovado homicídio doloso, no qual os donos incitam os animais a matar. Em caso de homicídio culposo (sem intenção de matar), o projeto prevê para o proprietário pena de 1 a 3 anos de prisão.

Além das 17 raças “perigosas” – , , , Mastim, , Pitbull, Schnauzer Gigante, , , Bullmastiff, Cane Corso, Dogue Argentino, Dogue de Bordeaux, Grande Pirineus, Komondor, Kuracz e -, o poder público poderá indicar outras raças perigosas a serem fiscalizadas. Se o dono for flagrado circulando em local público, com cachorro sem coleira, corrente e focinheira, terá o animal apreendido e deverá pagar multa de R$ 100. A fiscalização ficará a cargo dos municípios – e, caso a multa não seja paga, os órgãos municipais serão também responsáveis pelo sacrifício dos animais, outra ação prevista no projeto.

Pela legislação atual, não há regra específica para responsabilização de proprietários de cães no Código Penal – nas decisões judiciais a esse respeito, geralmente a Justiça leva em conta o artigo 132 do Código, que trata de exposição de pessoa a perigo direto e iminente. “É necessária legislação específica, para poupar ao Judiciário o esforço de uma construção, que muitas vezes se revela problemática quando se trata de matéria penal”, justificou o autor do projeto de lei, senador Valter Pereira (PMDB-MS). O texto original, no Senado desde 2008, sofreu emendas e recebeu parecer favorável do relator, senador Gim Argello (PTB-DF).

Na justificativa do projeto, o senador ressalta que os animais são usados como cães de guarda e, frequentemente, acabam submetidos a condições que acentuam o comportamento agressivo do animal. “Criados por pessoas despreparadas e utilizados em funções para as quais não estão aptos, eles se transformam em verdadeiras armas, com potencial de periculosidade que não pode ser subestimado”, justificou o senador. O projeto também prevê que todos os cães dessas raças sejam registrados nos municípios em que o dono residir.

POLÊMICA
Entre os pontos mais polêmicos do projeto de lei está a proibição total da reprodução de cães Pitbull – o que significa, caso a lei seja aprovada, a da em território nacional. “Esse ponto é completamente inconstitucional”, diz o superintendente da Confederação Brasileira de , Carlos Manso. “Ainda é preciso ver se vai passar pelo Senado, mas, caso seja, parece simples para qualquer criador derrubar. A própria Confederação vai se manifestar, talvez até judicialmente, caso esse ponto seja aprovado.” No caso de desrespeito à lei, o proprietário ou criador cumprirá pena de 1 a 4 anos de detenção.

Outro ponto que já causa polêmica, segundo Manso, é a definição, no projeto de lei, de quais raças podem ser classificadas como “perigosas”. “Cada cão é reflexo do seu dono. Se for um cachorro bem tratado, bem educado, e se ficar longe de situações de agressividade, a probabilidade de que cause problemas é baixa”, disse Manso. “O cão que mais ataca seu dono, reconhecidamente, é o . Então, como dizer qual é mais ou menos ?”

Apesar das polêmicas, a questão principal da lei – responsabilização dos donos pelos danos causados pelos animais – recebeu avaliação positiva até entre criadores ouvidos pelo Estado.

“O proprietário tem de ser responsável, porque é geralmente o dono quem faz com que o cão seja agressivo, seja assumindo postura violenta com ele, ou mesmo com algumas atividades que ressaltem sua agressividade, como fazer “cabo de guerra” com o cão, por exemplo”, disse o presidente do Clube Paulistano de Cinofilia, Pedro Favaretto. “E mesmo o fato de usar focinheira, ou coleira, é ponto que muitos já enxergam como unanimidade, uma vez que é difícil prever quando o animal pode se assustar ou ter uma reação inesperada e atacar. Melhor prevenir.”

PELO MUNDO
EUA: proprietários são condenações a até 4 anos de prisão, em caso de morte causada por um de seus cães

Inglaterra e Noruega: proibiram a criação de Pitbull

Portugal e Bélgica: regulamentaram a criação e os cuidados que os proprietários devem ter, como uso de focinheira

Dinamarca: além da proibição dos Pitbulls, do Tosa – raça japonesa de grande porte – e de suas variações, todos os cães do país devem ser registrados nos órgãos do governo e identificados com microchips ou tatuagens. A polícia tem o poder de obrigar que determinado cachorro use focinheira para sair na rua

França: em 2000, proprietários de Pitbull foram obrigados por lei a esterilizá-los e registrá-los. Esses cães não podem viajar em transporte público e têm de estar em locais públicos de focinheira e coleira.

Outra exigência: o dono de um Pitbull não pode ter antecedentes criminais. Além disso, a compra, importação e cessão podem ser punidas com até seis meses de prisão

Fonte: Estadão
Dono poderá pegar de 3 meses a 20 anos de detenção por ataque de cão foi modificado pela última vez: julho 2nd, 2014 por Alexandre Domingues
Anterior

Os problemas com a sujeira do seu cachorro acabaram

Próxima

Advogado diz que castração de pitbulls é inconstitucional

  • Lisete Santos

    Eu apoio esta iniciativa, mais tem que proibir a reprodução, de todas as outras raças também. Não só a raça pit bull. A raça pit bull, não nasce feróz, quem o torna feróz, é o homem com sua arrogância e ignorância. Digo proibir outras raças, para que acabe este problema no Brasil, que esta um absurdo, muitos animais abandonados, cruélmente maltratados. E não são só vira-latas, que são abandonados e maltratados. Este pessoal que vai votar, este projeto de lei, deveria antes visitar as ongs e ccz, onde cães e gatos, de todas as raças, são recolhidos das ruas, por abandono de seus tutores, Geralmente os de raça, as pessoas mal informadas e irresponssáveis, compram para seus filhos ou dão de presente, sem saber se realmente as crianças ou a pessoa que ganhou ou vai ganhar de presente, gosta ou vai gostar do animalzinho. E se acontece da pessoa não gostar, este animal imediatamente é descartado, abandonado e muitas vezes maltratado. Sem contar com as matrizes, que são exploradas, sem dó nem piedade. Este também é um caso de eles irem vizitar, locais onde se reproduzem animais de raça, tanto cães, quanto gatos!!! E estas pessoas que reproduzem animais de ráça, também, não se preocupam com o destino destes animais, se importam apenas com o lucro que estas vidas inocentes vão proporcionar a eles. Se saisse uma lei, proibindo definitivamente a reprodução destes animais, este problema seria sanado. Também deveriam sansionar uma lei, para castração em massa em todo o Brasil. Precisamos dar mais atenção a estes casos, senão a matança, a cruéldade e o abandono, nunca vai acabar.

  • ARTHUR BARROS

    tenho um amigo que tem um casal de pitbull, mas eles são tão manssos que todos que passam na rua pengam nelis,na casa dele tem crianças e elas brincam com eles e nunca os cachorros agredil,na verdade esses cahorros ficam violentos porque os donos aplicam medicamentos pro cachorro ficar mas forti, e pro medicamento funcionar eles precisam se esercita com carregando pesso, mordendo pinel em altura,puxanda cabo de aço,o resultado do medicamento e que o cachorro fica mas agresivo, uns dos efeitos dos medicamentos e adrenelina constante,emtão qual quer animal que fica exposto a esse medicamento eo treinamento desse, ele vai atacar qual quer passoa ou outro animal.enrrelação ao pitbull não é necessario a proibição, o que deve ser feito e o registro do animal em um orgam epesifico para manter o controlhe dos animais e os animais serão sujeito a fazer ixames para saber se o animal tomul augum tipo de medicamento que esteja proibido.se escolhria um periodo para refazer o ixame caso seja encontrado no ixame augulm medicamento o dono pagaria uma multa e o animal seriare colido e sacrificado.os animais que não foram registrado caso por denuncia ou afiscalização forem encomtrados os donos pagariam uma multa e o animal detido e sacrificado, em caso de reprodução os animais femea e macho de verão ser regitrado,pois o registro dos filhote so vai ser feito com a apresentação da carteia dopai e da mãe e isso serviria para todos os animais considerado perigoso.A m se animal mesmo regitrado, mansso atacar auguem odono respondera pelo animal.e acho que e mas ou menos assi que se resouva esses tipos de situação obrigado.

  • luma

    concordo com que caes de medio a grande porte somente saiam de casa com focinheiras e enforcadeiras! e com penas para quem for denuncia descumprindo a l e i…..