0
Shares
Pinterest Google+

Recentemente, um homem lançou, em Portugal, uma PETIÇÃO na internet para reivindicar a tutela de sua , por conta de ter sido proibido de vê-la por sua ex-esposa, desde o divórcio, em 2007.

Durante o casamento, Antonio ganhou de sua então mulher uma linda cadela que ele batizou de Skippy. Ele conta que, dez anos depois, quando se separaram, ele aceitou que a cachorrinha ficasse junto com a sua ex-mulher, em função de sua filha de 6 anos ser muito apegada à Skippy.

Depois de um tempo, por não ter cedido a algumas exigências feitas pela ex-mulher, ele fora então proibido de ver ou conviver com a cachorra, que era também como filha para ele. Há quase um ano que essa situação se estende.

Ele afirma: “Quem convive com animais certamente compreende melhor a minha angústia, uma vez que se estreitam laços muito profundos entre os animais e os seus tutores. E, com certeza, essa angústia não será só minha, uma vez que a Skippy também ficou privada da minha presença e os cães também têm sentimentos”.

Antonio pretende recorrer às vias legais: “dificilmente voltarei a ver a Skippy, pois estes processos não são levados muito a sério, e a idade já lhe vai pesando”, afirma com tristeza. Skippy está perto de completar 13 anos e está com a saúde um tanto debilitada, tendo apresentado problemas nos dentes, lábios, visão e algumas dificuldades motoras.

O caso de Antonio, em que animais são usados como objetos para ferir ou castigar o outro por questões pessoais, infelizmente, é mais comum do que imaginamos. Mas o que as pessoas precisam ter em mente é que, assim como é entre pais e filhos, a relação entre os animais e seus tutores é independente e vai muito além das desavenças que possam ocorrer nas relações humanas.

Antonio e Skippy estão sendo vítimas de um sentimento chamado vingança.

Anterior

Gato robô começa a ser vendido em agosto no Japão

Próxima

Família americana oferece recompensa de US$ 5 mil por cão perdido

  • Olá
    Que comportamento equivocado nestes personagens. A esposa de Antonio parece q. usa a pequena Skippy , já 1 senhora peludinha de idade, como 1 simples objeto p/barganhar………….Ou seja, assim ela sempre está vinculada à seu ex -marido, bem como este a ela. Eles, na verdade usam a peludinha simplesmente como 1 aplicativo afetivo …..
    E se justificam dizendo q. é por amor à cachorrinha…………..Parece que estimam mesmo a peludinha, mas daí a ficarem se engalfinhando juridicamente………………..Aliás, este tipo de comportamento é bastante comum entre as pessoas, que se utilizam de subterfúgios diversos p/se justificarem de 1 perda.
    Oxalá estes personagens possam rever melhor os seus interesses e crescerem como indivíduos adultos.
    abs
    suely bischoff machado de oliveira
    psicóloga
    atibaia-sp