0
Shares
Pinterest Google+

A entre uma mulher e uma funcionária de um de Santo Ângelo pela de um cão terrier parou no de . A decisão é de que o cão, chamado Xeren, fique com a empregada da .

Segundo o Tribunal de Justiça, a começou em 2007, quando a então proprietária do animal entregou-o à funcionária da pet shop onde ele era tratado. A versão da primeira proprietária é de que, em 2006, Xeren (que tinha um ano e meio na ocasião) foi emprestado para fins de procriação à funcionária. Ela diz ter permitido que o cão ficasse com a empregada enquanto resolvia problemas pessoais. A funcionária afirma que Xeren havia sido doado.

Em 2007 a primeira proprietária pediu que Xeren fosse devolvido – uma solicitação atendida. Alguns dias depois, a segunda proprietária pediu o cão emprestado, o que foi negado diante da alegação de que a mãe da dona sentia falta do animal. Então, a funcionária registrou um boletim de .

A Justiça decidiu, em primeira , pela devolução de Xeren à primeira proprietária. A funcionária recorreu, afirmando que o corria o risco de não se adaptar à constante troca de proprietários. A decisão final do desembargador Tasso Caubi Soares Delabary foi de que a segunda proprietária do cão deveria ficar com ele. De acordo com Delabary, “uma pessoa que se diz apegada ao animal de estimação e estabelece com o cão uma relação de companhia não pode permitir que o mesmo fique tanto tempo com outra pessoa”.

Fonte: Zero Hora
Anterior

Cabras disputam coroa de mais bela em cidade na Lituânia

Próxima

Mais de 10 mil crianças recebem informações sobre leishmaniose pelo País