0
Shares
Pinterest Google+

Alagoas – A cada ataque de cão da surge a polêmica em torno da da . Há um grupo que o considera uma fera, chegando a defender a sua e outros que defendem a sua , sob a alegação de que o depende da forma como o proprietário trata o animal. Nesses últimos dois meses, duas crianças foram atacadas por pit bulls no interior do Estado. Em um dos casos registrados, em Mata Grande, por pouco a menina não foi morta.

Mas nem todos os cães desta raça são tão bravos e violentos. Quem vai a uma veterinária em , pode se surpreender ao ser recepcionado por uma cadela Pit bull de nome Alice, que circula tranquilamente pelos cômodos do estabelecimento, mostrando graciosidade e doçura. A veterinária Adriana Matos, proprietária do animal afirma a todo tempo que Alice é fruto da forma como foi criada, com amor e muito .

Os pit bulls são mal vistos pelos violentos que cometem, alguns resultando até na da . Nem os veterinários não são unânimes em relação à raça. E foi assim com Adriana Matos que, até o dia em que ganhou como presente um . “Meu pai, que era radicalmente contra à criação desta raça, se apaixonou a primeira vista pelo . Tantoq eu resolveu comprar uma fêmea para formar o casal. Foram duas ninhadas e de uma delas nasceu Alice”, contou.

Criada há três anos na clínica, a cadela não é vista como uma pelos . Muitos se arriscam a pegar a bola que Alice carrega na boca. “Sempre caminho acompanhada dos pit bulls na do Francês e eles nunca se mostraram agressivos com as pessoas. Na casa dos meus pais temos três, criados soltos, inclusive convivem com a minha filha de oito meses”, disse. Desfazendo o mito de que em casa que tem criança não pode ter cachorro dessa raça.

“É preciso saber criar”, diz veterinária
Para os que defendem a extinção do pit bull, a veterinária afirma, que é contra essa medida radical. “Assim como o homem, o animal é produto do meio em que vive”, explicou, afirmando que o cachorro é de um tipo que não pode ser criado de forma irresponsável, jogado em um cato qualquer da casa. “Se o cachorro vive em um lugar preso, criado sem amor, largado, claro que vai se tornar agressivo”, explicou.

Pit bull: para estimar ou extinguir? foi modificado pela última vez: julho 14th, 2014 por Alexandre Domingues
Anterior

Fiocruz vai fazer expedição científica sobre caso de leishmaniose em Florianópolis

Próxima

Cães surfistas competem na Califórnia

  • PAULA

    Tenho um pitbull e acho que todo o cão é reflexo do seu dono.
    Se você tratar com amor, receberá amor. Por que não se gera polêmica em torno de homens que batem em suas mulheres e alguns chegam até a matar. Vão extinguir essa raça também??????????????

  • Guilherme Borges Logullo

    O primeiro não é pitbull, é um boxer…

    • mari

      na verdade, dogo argentino…