Psicóloga que teve cadela roubada oferece novo cachorro para bandidos

Inconsolável após o roubo de sua cadela yorkshire Emília, de 8 anos, a psicóloga Kátia Soubihe Abutara, de 38 anos, está fazendo uma proposta inusitada aos criminosos. Ela disse que comprará uma outra cadela, da mesma raça da sua, se os bandidos devolverem Emília.

psico

O animal foi levado da casa da psicóloga, no bairro de Moema, na Zona Sul de São Paulo, no dia 20. Três homens armados invadiram o local e roubaram a cadela. Além do animal, os assaltantes pegaram um laptop, dois celulares, uma corrente de ouro, um relógio e R$ 5.050 em dinheiro. “Não faço questão dos outros objetos, só quero a cadela. Não vou entregar ninguém , quero que eles fiquem em paz, só quero minha cachorrinha que é minha filhinha”, afirmou a psicóloga.

Segundo a vítima, os criminosos ficaram cerca de meia hora dentro da casa e exigiam que ela mostrasse onde estava o cofre, caso contrário levariam os animais (a cadela Emília tem uma irmã, Cristal, também de 8 anos). “Eu falei para eles que não tinham cofre e eles levaram as outras coisas”, disse a psicóloga.

De acordo com Kátia, Cristal não come direito desde o dia do assalto por sentir falta da outra cadela. “As duas são como filhas para mim”, afirmou a psicóloga.

Ela conta que só passeava com os animais na frente de casa por temer ser vítima de roubo. Em dez anos morando no local, a psicóloga diz que as casas da rua nunca haviam sido assaltadas.

O crime ocorreu por volta das 14h, quando Katia estava abrindo o portão para um amigo, um publicitário de 40 anos. Eles foram rendidos pelos três criminosos e trancados em banheiro que fica no piso superior da casa. “Ela estava latindo muito, quando parei de ouvir os latidos, percebi que eles a levaram”, afirmou.

O caso foi registrado no 15º Distrito Policial, no Itaim Bibi. Nenhum suspeito foi identificado ou preso.

Fonte: G1

0 opinião sobre “Psicóloga que teve cadela roubada oferece novo cachorro para bandidos”

  1. Até entendo a dor, e estamos fazendo campanha para achar a cachorrinha. Mas “comprar” outra para os bandidos, já é demais!! A outra comprada será de pelúcia? Não podemos tratar dessa maneira, um bichinho…