0
Shares
Pinterest Google+

Quem tem um felino como parte da sabe que as preocupações com a do pet são diversas e que a pode contribuir muito para o bem ou o mal-estar dos bichanos.

Com isso em mente, para oferecer uma rica e balanceada para o seu gato, é necessário saber que tipo de alimentos jamais deve entrar nessa , evitando problemas de .

Como muitos já sabem, os chocolates são um que podem ser extremamente prejudiciais e para a saúde dos gatos, e nunca devem fazer parte da alimentação felina – nem mesmo em ocasiões especiais – já que o cacau conta com uma substância chamada de em suas propriedades, que afeta o sistema nervoso central dos bichanos e pode causar uma série de danos além da intoxicação.

Outro item que, em muitos casos, é considerado necessário para os gatos e, na realidade, pode fazer mal, é o . Comumente visto em filmes e desenhos como fonte principal de alimentação dos bichanos, o de vaca, além de não ser essencial para a dieta felina, também pode ser prejudicial.

Após o desmame, os felinos já recebem todos os nutrientes de que precisam na própria e, dessa forma, dar leite de vaca aos gatos pode causar alguns problemas intestinais bastante incômodos, como diarreia, e abdominais.

Assim como no caso dos cães, as que servem para alimentar os seres humanos também não devem fazer parte da dieta dos bichanos, podendo causar complicações que vão desde a até problemas e distúrbios diversos no aparelho intestinal do pet. Além das normais das pessoas, a cebola e o alho são itens que devem ganhar atenção especial quando manuseados próximos aos gatos.

Os que têm pets em casa devem ficar bem atentos para não deixar pequenos pedaços desse tipo de ingrediente cair no chão enquanto preparam suas refeições. Os alimentos podem causar intoxicação e até óbito.

Sendo assim, fica claro que a alimentação felina deve ser feita com rações de qualidade ou comidas caseiras especialmente preparadas para os gatos, e que nunca é uma boa ideia querer misturar a sua comida com a do seu pet, pois, isso pode gerar uma série de complicações sérias e indesejadas.

Autor: Dra. Raquel Madi (CRMV – SP 20.567), Médica Veterinária formada pela Universidade Estadual de Londrina – PR e responsável pelo setor de Radiologia, Ultrassonografia e Ressonância Magnética em Hospital Veterinário de São Paulo. Dra. Madi é integrante da equipe de veterinários do portal CachorroGato.

Anterior

Higiene dos cães: dicas para um banho sem traumas

Próxima

Toxoplasmose: a culpa não é do gato!