Seu gato parece doente? Talvez ele apenas esteja chateado

Segundo um novo estudo, há uma maneira de descobrir se seu o gato está chateado: ele age como se estivesse doente, por exemplo, se recusando a comer e vomitando em excesso, mesmo se estiver saudável.

petrede-gato-brincando

Durante o estudo, quando os gatos experimentaram “eventos externos” incomuns, como mudança de dono ou de alimentação, os mais saudáveis foram tão propensos quanto os crônicos a apresentarem comportamentos de doença.

Veterinários afirmam que quando um gato não está comendo, não está usando a caixa de areia ou está vomitando, a questão pode não ser puramente saúde: como parte do diagnóstico, os profissionais devem se informar da qualidade do ambiente em que o animal vive.

O estudo utilizou dois grupos de gatos – gatos saudáveis e gatos com cistite intersticial felina (CIF), uma doença crônica caracterizada por desconforto ou dor recorrente na bexiga.

Ambos os grupos apresentaram o mesmo número de comportamentos doentes em resposta a eventos não usuais, e em ambos os grupos, o risco de agir doente em rotinas interrompidas triplicou, em relação a quando tudo permaneceu igual.

O projeto de pesquisa ainda não tinha começado como um estudo de tendência dos gatos de exibir comportamentos doentes. A responsável por 20 gatos (com CIF e saudáveis), uma veterinária, se baseou em estudos anteriores sobre os benefícios do enriquecimento ambiental para gatos e passou meses criando um padrão de alimentação, entretenimento, e limpeza que parecesse menos estressante para todos os seus gatos.

Eventualmente, ela notou que os gatos com a doença crônica pareciam melhores: seus pêlos estavam brilhantes, seus olhos estavam claros, e nenhum gato tinha deixado de usar a caixa de areia ou vomitado por duas semanas. A conclusão é que, através do enriquecimento do ambiente, é possível reduzir os sintomas de gatos com CIF cerca de 75 ou 80%.

Depois que o ambiente estava estável para todos os gatos no ambiente enriquecido, os pesquisadores os observaram por 77 semanas, seguindo as alterações de comportamento. Durante este período, os pesquisadores fizeram várias mudanças no ambiente dos gatos, incluindo a interrupção do contato com a veterinária, uma combinação de mudanças no cronograma (remoção de alimentos e retirada de reprodução musical), um atraso de três horas no tempo de alimentação, etc.

Durante a semana de controle, na qual a rotina não foi alterada, os gatos saudáveis apresentaram uma média de 0,4 comportamentos doentes, e os gatos com CIF apresentaram 0,7 comportamentos doentes – virtualmente nenhuma diferença entre os dois.

Da mesma forma, durante as semanas que continham eventos externos incomuns, o número de comportamentos doentes aumentou para 1,9 (gatos saudáveis) e 2,0 (gatos com CIF). Globalmente, o aumento foi de 3,2 vezes no risco para comportamentos doentes em todos os gatos, quando suas rotinas são interrompidas.

Autor: Natasha Romanzoti
Fonte: HypeScience

Deixe uma resposta