1
Shares
Pinterest Google+

Toda criança quer ter um bichinho de estimação.

Mas na hora de escolher, nem sempre encontramos aquele pet que nos agrade e que caiba na nossa casa, no nosso orçamento ou até mesmo na correria do dia a dia.

Ter um bichinho de estimação requer tempo e cuidados para que ele viva de maneira saudável e feliz.

Pensando nos cuidados e principalmente para quem não tem muito tempo para dedicar ao seu pet a tartaruga pode ser uma ótima opção para a criançada. Elas dão pouco trabalho, são comportadas e não exigem atenção a todo momento.

Existem dois tipos de tartarugas que são criadas para comercialização e tem autorização do IBAMA: a tartaruga Tigre D’Água, mais conhecida como cágado e o Jabuti. A primeira é um quelônio de água doce que geralmente possui o mais achatado. Já o Jabuti é exclusivamente terrestre, então ele precisa de mais espaço, é mais lento e seu é mais alto em relação ao de um cágado.

Os cágados nascem com cerca de 4 cm e podem atingir de 25 a 30 cm quando adultos. Eles podem crescer cerca de 3 cm por ano e o deve ser adaptado ao seu crescimento. Os cágados podem ser mantidos sozinhos ou em grupos dependendo do tamanho do . Eles são dóceis e é fácil de cuidar e precisam de um espaço em área seca para tomar sol, se alimentar e procurar refúgio em ambientes aquáticos. Eles vivem cerca de 30 a 60 anos.

Os jabutis também são dóceis e podem chegar a 80 anos. O melhor para essa espécie é o terrestre, mas eles precisam de água, principalmente até os 2 anos para se hidratar e defecar. Deve-se atentar também a locais com portões pois eles se passam por baixo facilmente e ainda cachorros ou gatos pois podem pegar o jabuti até mesmo para brincar e morder o casco quebrando-o.

Ambiente ideal
Para as tigres d’água o aquário precisa ter uma base para que ela fique fora da água, não colocar objetos pontiagudos ou até mesmo pedrinhas muito pequenas pois elas comem tudo o que encontram e a água deve ficar na altura dessa base. As tartarugas precisam do sol para metabolizarem as vitaminas D. fixarem o cálcio e prevenir o aparecimento de fungos, porém, sol em excesso pode prejudicá-la. Vale pensar em um espaço no aquário para que ela use como refúgio. Lugares ásperos também não são indicados pois ocasionam lesões que facilitam a entrada de bactérias e fungos. A temperatura da água deve se manter em 28°C.

Os jabutis podem viver em um espaço terrestre com gramado e pedras que pode ser delimitado com um cercadinho. Deve-se pensar em uma sombra que pode até ser uma casinha para que ele possa se proteger do sol. Neste local com sombra também deve ficar um recipiente com água. Assim como os tigres d’água, eles também precisam do sol para metabolizarem a D.

Alimentação
A alimentação das tartarugas deve ser baseada em uma balanceada com todas as vitaminas e proteínas que elas precisam. A falta de pode causar uma série de doenças, entre elas, o raquitismo que é uma que deixa a casca mole devido à falta de proteínas.
A dieta deve contar com a ingestão de , frutas e vegetais como cenouras, maças e mamão, além de feijão verde e espinafre. Camarões desidratados também podem ser oferecidos como um agrado ou sobremesa.

Outro complemento essencial para a manutenção da é a ingestão de tenébrios vivos ou desidratados. “Os tenébrios possuem 44% de em sua composição, tem alto teor de digestibilidade e é muito nutritivo. Os tenébrios vivos devem ser colocados na água e podem estimular o de caça das tartarugas e pode ser uma diversão para as crianças que vão ficar empolgadas em alimentar seu pet. Já os tenébrios desidratados podem ser oferecidos juntamente com as frutas ou a ração. Algumas tartarugas se alimentam de grilos e também”, explica o engenheiro agrônomo e proprietário da Safari Insetos, Eduardo Matos. Para os jabutis, em especial, vale apostar nos tenébrios desidratados misturados com folhas verdes e frutas variadas.

Os insetos têm alto teor de proteína, ácidos graxos e de alta digestibilidade. Além dos tenébrios, o “” oferecido pela Safari é composto por: grilo preto (Gryllus assimillis), tenébrio gigante (Zophobas morio), tenébrio comum (Tenebrio molitor), barata cinérea (Nauphoeta cinérea) e barata blaberus (Blaberus giganteus). Em breve, a espécie barata madagascar (Gromphadorhina portentosa) também fará parte da produção que, hoje, já soma milhões de insetos e podem ser oferecidos para lagartos, roedores, tartarugas, macacos, pássaros de médio e grande porte e . “Nutritivamente, os insetos substituem a ração. Mas a dieta do pet não pode ser substituída apenas por insetos e sim usá-los como um complemento para o animal”, explica Matos.

Sobre a Safari Insetos
Todos os insetos da Safari são produzidos em uma fazenda localizada em Piracicaba, interior de São Paulo. A possui Título de Estabelecimento Relacionado, com aprovação do Ministério da Agricultura e responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal comestíveis e não comestíveis destinados ao mercado interno e externo. O sistema de produção é bem simples, mas há cuidados específicos para manter o ambiente sempre limpo e sem exposição a dejetos. A alimentação dos insetos é preparada com farelo de trigo, milho, cevada e vegetais como legumes e folhas, de onde eles também retiram a água que necessitam.
Anterior

Conheça 5 curiosidades sobre a Erva do Gato (Catnip)

Próxima

Quer fazer uma festa de aniversário para o seu pet, mas não sabe por onde começar? Confira estas dicas!