Cites elogia Brasil no rastreamento de comércio ilegal de animais silvestres

A Convenção das Nações Unidas sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas, Cites, anunciou que quer implantar um novo sistema eletrônico único de emissão de licenças. O dispositivo poderia ser acessado de várias partes do mundo. A proposta foi debatida num encontro da ONU, realizado na Nicarágua, com especialistas de diversos países latino-americanos incluindo o Brasil. O sistema de rastreamento brasileiro foi citado como exemplo na reunião.

papagaio_africano

De acordo com o coordenador de equipe da Cites, Marcos Silva, atualmente é muito fácil falsificar as licenças que estabelecem se uma espécie animal ou planta pode ou não ser exportada. Segundo ele, as falsificações são muito comuns nos países da África. Nesta entrevista à Rádio ONU, no retorno a Genebra, Marcos Silva falou sobre o projeto. “Nós estamos fazendo um plano regional para a América Latina para conferir se podemos implementar este sistema. O que é interessante é que o Brasil tem um sistema muito avançado, e como parte deste projeto, o país disponibilizou a sua tecnologia às nações que precisam de ajuda para implantar este tipo de sistema”, afirmou.

Marcos Silva diz que é muito difícil contabilizar este tipo de comércio ilegal, mas que pesquisadores da área acreditam que somente o tráfico de armas e de drogas sejam maiores que a atividade. O policiamento deste tipo de crime também é complicado, principalmente em países onde o sistema judicial e de multas é fraco em relação à estas ofensas, alerta Marcos Silva.

“É tão difícil quanto policiar atividades de drogas. Nós sempre pensamos que é o turista que chega com alguma coisa, mas o perigo real são as máfias organizadas. Você também está falando em espécies economicamente significativas, como por exemplo, o caviar. Esta organização de crimes e o pouco policiamento faz com que esta seja uma atividade ilegal que dá muito lucro e pouco risco de apreensão”, disse. O contrabando de animais e plantas gera bilhões de dólares, segundo a Cites, e coloca várias espécies em risco de extinção.

Autor: Daniela Gross
Fonte: Eco Agência Solidária de Notícias Ambientais

Deixe uma resposta