0
Shares
Pinterest Google+

Cães e gatos estão tão incorporados às famílias e aos rituais humanos que não é apenas no que eles recebem todo carinho possível. Quando chegam ao final de sua vida também. Proprietário de uma fábrica de urnas funerárias para cães e gatos, o bauruense José Leme Lima consegue faturar mais de R$ 10 mil por mês só com a venda desses objetos na cidade e, principalmente, para várias regiões do País onde há para cães e gatos.

De acordo com dados da diretoria do Centro de Controle de Zoonozes () de , a cidade conta com uma população de mais de 80 mil animais entre cães e gatos, mas falta um cemitério público de animais. Com a grande e crescente quantidade de bichos de estimação, aumenta também o número de óbitos. Desta forma, proliferam-se cemitérios em várias cidades, surgindo a necessidade de dignas urnas funerárias.

José Lima informa que a procura tem sido cada vez maior. “Esse trabalho fora de Bauru está sendo bem procurado, São Paulo, Rio de Janeiro, Santos… Bauru ainda não é tanto porque não tem um cemitério para animais, e é difícil sepultar os bichinhos em Botucatu (onde há um cemitério específico) porque as pessoas acham caro.”

O empresário considera que cobra um preço razoável para quem deseja adquirir um caixão desse tipo. “Eu vendo um caixão a R$ 200,00 para os animais de porte pequeno. Os animais maiores conseguem um caixão em torno de R$ 600,00. É bem mais em conta que um caixão para pessoas. Eu vendo em torno de 600 a 700 urnas por mês”, informa.

Centro velatório
E tem muita gente ganhando dinheiro com o aumento dos animais de estimação em casa. Além da fabricação de caixões em Bauru, já existe um serviço de fundo mútuo para bichos domésticos. Uma empresa recentemente regulamentada foi instalada em Botucatu, onde também está um dos poucos cemitérios de animais da região, incluindo uma sala velatória. No local são realizados mais de 2 mil sepultamentos, de toda a região.

Pelo fundo mútuo, são cobrados R$ 20,00 para adesão e R$ 10,00 mensais, o que dá direito à inclusão de até dez animais. Além do fundo mútuo, a empresa também realiza o serviço de transporte para clínicas especializadas em banho e tosa e ainda tratamentos de saúde. O empresário Antônio Carlos Minozzi diz que o serviço tem sido muito bem aceito e, atualmente, consegue faturar valores significativos na cidade.

“Conseguimos uma média mensal entre R$ 5 mil e R$ 10 mil com a junção dos serviços prestados. O transporte dá uma faixa de R$ 3 mil, e o restante é com o trabalho de fundo mútuo.”

Com uma população em torno de 80 mil animais em Bauru entre cães e gatos e com a falta de um cemitério específico para eles, que se tornam parte da família, as pessoas acabam ficando “perdidas” quando se deparam com a deles. Mais informações sobre as urnas funerárias para animais podem ser obtidas pelos telefones 3011-4764 e 8159-8336.

Anterior

Os segredos do pedigree – Parte 6

Próxima

Cidade sofre com aumento das doenças

  • Jose carlos dias de araujo

    Sou do Rio de Janeiro, Tenho 20 anos no ramos de vendas; Meu último cargo foi de Supervor de Venda da Sadia; e tenho vários contatos pets aqui no rio e gostaria de comercialiazar aqui no Rio.

    Tel.9538-7968/241-3587-021

    Grato.

  • Narvais Representaçao Comercial Ltda

    Já atuando com vendas, no ramo pet na região do Paraná e Mato Grosso do Sul, solicito-lhes a represen tação dessa na linha de seus produtos, para estas regiões em sua totalidades.Havendo interesse déssa em expandir as vendas com abrangência em outras áreas, aguardo comunicado e oportunamente enviarei o meu Curriculum Vitae para avaliação final e colhimento de referências.
    fones-044-30251504-8832639
    Maringá-Pr.
    Atenciosamente agradeço.

  • suely bischoff machado de oliveira

    Olá.Boa tarde!É isto mesmo.Devemos ficar felizes quando chega um novo membro para fazer parte da nossa família, e também homenageá-lo em sua partida.Parabéns à idéia de José Leme Lima de Bauru.Eu por exemplo, moro em uma pequena chácara no interior paulista,então enterro os meus peludinhos no jardim.Mas quem mora em apartamento ou mesmo numa casa sem terra é difícil. Colocá-lo num saco p o lixeiro levar embora,não é adequado nem respeitoso.Apesar de que a alma do pet se desliga do seu corpo-matéria.Então esta idéia é útil e adequada.Já visitei o cemitério de Itapeví.Muito bacana!Vale à pena conferir!abraços