‘Cachorros Falam’ ensina a ler o idioma corporal dos cães

O que um cachorro quer dizer quando levanta as orelhas e a cauda e, de boca aberta, encara o seu dono? A resposta a essa pergunta pode ser simples: sorrir. E também pode levar a níveis mais profundos de informação sobre o universo canino. É esse o ponto que tenta acessar a escritora Sophie Collins no livro Cachorros Falam – Entenda a Linguagem Corporal dos Cães, que chega ao país pela Ediouro (128 páginas, 24,90 reais).

“Pesquisando, descobri que uma série de sinais usados pelos cães eram considerados universais por especialistas, mas pouco conhecidos dos proprietários”, conta a autora, que buscou, durante os ensaios fotográficos realizados para o livro – a obra é estampada por dezenas de fotos – exemplos dos sinais identificados em seus seis meses de pesquisas.

De acordo com Sophie, cada posição da cauda ou da orelha e cada tipo de olhar tem um significado, que pode ser redefinido pelos sinais que o acompanham. Orelha para trás, por exemplo, pode significar desconforto ou apreensão. Se vier junto com um rosnado, é agressividade na certa. Orelhas para frente, por outro lado, representam curiosidade e interesse, assim como cabeça inclinada e cauda erguida e parada.

Quanto à cauda, o livro quebra conceitos. O tal rabo entre as pernas não significa necessariamente medo. A raça greyhound mantém a cauda naturalmente recolhida. Mais: cauda de pé, abanando, nem sempre representa vontade de brincar. Só se o abano for lento e suave. Um abanar amplo e intenso equivale a uma saudação efusiva, e uma vibração curta pode ser sinal de alerta, como ocorre quando o animal se mostra possessivo em relação a um brinquedo.

Os olhos também transmitem mensagens diversas. Se voltados diretamente para outros olhos, podem expressar desafio – pela etiqueta canina, cachorros costumam olhar outros cães ou pessoas de forma indireta.

Como um sinal pode ser ressignificado por outros, é importante ler sempre mais de um antes de se chegar a um veredicto. Uma boca aberta pode representar agressividade, se os dentes estiverem aparentes. Mas, se o que estiver à mostra for a língua, e não os dentes, então, o cachorro está tranquilo e pode até querer brincar.

É importante, também, observar cada cão para conhecer seus pormenores e aprender a ler as entrelinhas do seu discurso. Segundo a autora, tanto raça como personalidade acrescentam nuances à fala dos cachorros. “Embora os principais códigos sejam os mesmos para todos, diferentes raças têm diferentes características de linguagem corporal. Um terrier jovem, que se empolga com facilidade, pode ter uma ‘fala’ rápida e prolixa, enquanto um velho labrador provavelmente falaria de maneira mais vagarosa e moderada”, diz Sophie. “E, é claro, a personalidade individual influi na linguagem, também, assim como acontece com as pessoas.”

Fonte: Veja

Deixe uma resposta